IMPROBIDADE

MP diz que prefeita de Luziânia usa cargo para autopromoção e pede afastamento

Promotor Julimar Alexandro enxerga indícios de uso da estrutura da prefeitura para promover Edna Aparecida, pré-candidata à prefeitura


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 30/07/2020 às 21:54:43

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) pediu, nesta quinta-feira (30), o afastamento da prefeita interina de Luziânia, professora Edna. (Foto: reprodução)
O Ministério Público de Goiás (MP-GO) pediu, nesta quinta-feira (30), o afastamento da prefeita interina de Luziânia, professora Edna. (Foto: reprodução)

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) pediu, nesta quinta-feira (30), o afastamento da prefeita interina de Luziânia, professora Edna. Segundo o órgão, a gestora estaria utilizando o site e as redes sociais oficiais da prefeitura para autopromover-se, visto que é pré-candidata à prefeitura nas eleições deste ano.

Na ação civil pública (ACP) por ato de improbidade administrativa, o promotor de Justiça Julimar Alexandro da Silva alega que, desde fevereiro, quando Edna assumiu a gestão no lugar de Cristóvão Tormin, passou a fazer divulgações de atividades rotineiras do cargo nas redes sociais e site do município “em evidente ato de autopromoção”.

Em março, o MP já havia expedido recomendação como forma de advertência para que a “propaganda autopromocional” com o uso da máquina pública fosse cessada. Contudo, segundo o promotor, a prefeita continuou com a autopromoção, em atitude ainda mais danosa por ser ano eleitoral e com a iminente candidatura de Edna à chefia do Executivo municipal.

Para Julimar Alexandro, a prefeita interina violou o princípio da imparcialidade ao utilizar, indevidamente, das ações realizadas na gestão como enaltecimento pessoal. Ele ressaltou, ainda, que a publicidade feita por Edna não tem fins educacionais, informativos ou de orientação social, mas, “tão somente, de favorecimento pessoal de sua imagem”.

Bloqueio de bens

Além do afastamento do cargo, o promotor requereu o bloqueio de bens móveis e imóveis da prefeita, bem como a quebra de sigilo bancário e fiscal, visando garantir eventual ressarcimento de prejuízos ao erário. Edna terá de apresentar, em 10 dias, todas as postagens realizadas nos perfis oficiais do município e também pessoais.

O pedido de liminar ainda inclui a remoção imediata fotos, nomes, cores, símbolos ou imagens que configurem promoção pessoal da prefeita. Em caso de descumprimento, ela terá de pagar multa diária no valor de R$ 10 mil.

O Mais Goiás procurou a prefeitura, por email, para comentar o caso, mas não obteve retorno até o fechamento da matéria. O espaço está aberto para manifestação.