PROPOSTA

Movimento quer proibir programas policiais sensacionalistas na TV

Se o movimento receber 20 mil assinaturas no site do Senado Federal, vai se tornar uma Sugestão Legislativa e será debatido pelos Senadores


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 26/06/2020 às 13:37:29

Se o movimento receber 20 mil assinaturas no site do Senado Federal, vai se tornar uma Sugestão Legislativa e será debatido pelos Senadores
Se o movimento receber 20 mil assinaturas no site do Senado Federal, vai se tornar uma Sugestão Legislativa e será debatido pelos Senadores

Um movimento registrado no site do Senado Federal quer acabar com os programas policiais considerados sensacionalistas que são transmitidos na TV aberta. A ideia ganhou força na internet e já conta com mais de 9 mil assinaturas. O objetivo é proibir que esse tipo de programa seja exibido das 6h às 22h.

A proposta foi registrada por Jonas Rafael Rossato, que diz que existe uma grande diversidade de conteúdo que podem ser produzidos pelas empresas midiáticas. “No entanto, existem empresas, principalmente as regionais, que recorrem a programas policiais que espalham notícias violentas sob pretexto de ‘informar’”, diz trecho da Ideia Legislativa.

Em um grupo do Facebook, a publicação que explica a proposta já conta com mais de 5 mil curtidas e 3 mil comentários, a maioria em apoio.

“A exibição de programas violentos no horário livre faz com que crianças e adolescentes possam assistir acidentes, assassinatos, sangue, perseguições e diversas outras atitudes. Na comunicação com o telespectador, existe o discurso especulativo e violento dos apresentadores desses programas e entrevistados que violam a princípio da inocência”, escreveu Jonas.

Se o movimento contra os programas sensacionalistas receber 20 mil assinaturas no site do Senado Federal, vai se tornar uma Sugestão Legislativa e será debatido pelos Senadores. Confira a ideia neste link.

Nas redes sociais, muitos internautas tem apoiado o movimento.

Luiz Bacci se pronuncia após ‘Cidade Alerta’ revelar assassinato ao vivo

*Com informações do BHAZ