Desdobramento

Movimento de Catadores avalia positivamente encontro com Prefeitura de Goiânia

Reivindicações do movimento levarão em conta as metas da Política Nacional de Resíduos Sólidos e do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, segundo ARG


Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 06/02/2020 às 16:13:37

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

O Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis – Goiás (MNCRGO) realizou, na manhã desta quinta-feira (6), a Marcha dos Catadores, em Goiânia. Na pauta: campanhas e educação ambiental e separação de lixo; contratação pelo poder público das cooperativas da cidade; e mais. Ildo Sebastião, que faz parte do MNCRGO e é catador e membro da diretoria da Cooperativa Goiânia Viva, avaliou o evento e o encontro posterior com secretários da gestão Iris Rezende (MDB) como positivo.

“Conversamos com Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma), Comurg, Secretaria Municipal de Planejamento (Seplan) e mais”, disse Ildo. De acordo com ele, foi criada uma comissão de secretários para avaliar as demandas e o prefeito pediu um prazo de 30 dias para pontuar as reivindicações.

Em contato com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Goiânia, foi confirmado que uma comissão de secretários receberam os representantes da MNCRGO, após a realização da Marcha dos Catadores.

“Na oportunidade, um documento foi entregue à comissão composta pelos titulares da Agência de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos de Goiânia (ARG), Paulo César Pereira; da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg), Aristóteles de Paula; da Secretaria Municipal de Comunicação (Secom), Vassil Oliveira; e o chefe de gabinete da Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma), Ariovaldo Moreira, que se responsabilizaram em analisar as solicitações e realizar os devidos encaminhamentos entre as pastas.”

Paulo César, por sua vez, informou que a avaliação das reivindicações do movimento deve levar em conta as metas estabelecidas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos e também pelo Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. “Ouvimos aqui as reivindicações do grupo e vamos, nos próximos dias, avaliar e pontuar o que pode ser feito pela administração”, disse ele.

Segundo o titular da ARG, o resultado da análise será apresentado ao prefeito Iris Rezende e posteriormente aos integrantes do MNCR em uma reunião prevista para daqui 30 dias.

Cooperativas

Goiânia tem hoje 14 cooperativas. A Goiânia Viva emprega 33 catadores, dos cerca de mil que existem cooperados. Além disso, só ela é responsável por recolher aproximadamente 150 toneladas de resíduos por mês. “Tudo reciclado”, garante Ildo.

Somando às demais, o número chega a 9 milhões de toneladas por mês, de acordo com o membro do MNCRGO. “Graças ao nosso trabalho, Goiânia é considerado a 3ª cidade que mais recicla. Se tivéssemos o apoio do poder público, poderíamos brigar pelo primeiro lugar.”

Poder público

Em nota enviada ao Mais Goiás na quarta-feira (5), a Diretora de Gestão Ambiental, Flaviana Esteves, informou que a Amma está sempre aberta ao diálogo. Segundo a pasta, a Prefeitura cumpre a lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos N. 12.305/10 e o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS), que foi elaborado a partir da lei em 2016.

“A PNRS determina que o poder público deve inserir as cooperativas de catadores de materiais recicláveis no processo de coleta seletiva e isso a Prefeitura já faz antes mesmo da PNRS determinar essa inserção, pois o Programa funciona desde 2008.”