NOVA CPMF

Mourão defende imposto sobre transações financeiras eletrônicas

Vice-presidente também avalia que novo tributo possa financiar Renda Brasil, que vai substituir Bolsa Família


Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 17/07/2020 às 13:41:08

Vice-presidente Hamilton Mourão (Antônio Cruz/Agência Brasil)
Vice-presidente Hamilton Mourão (Antônio Cruz/Agência Brasil)

O vice-presidente Hamilton Mourão defendeu nesta sexta-feira a criação de um imposto sobre transações financeiras como uma forma de compensar a desoneração da folha de pagamentos. A fala de Mourão ecoa o que está sendo estudado pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Em entrevista à Rádio Gaúcha, Mourão acrescentou que os recursos arrecadados com esse imposto poderiam ser utilizados no programa Renda Brasil, que vai substituir o Bolsa Família.

— O ministro Paulo Guedes coloca como um substituto da desoneração da folha. Ao desonerar a folha, haveria uma oportunidade muito maior da criação de empregos formais. Eu ainda vejo mais além: um imposto dessa natureza pode ser também utilizado para reforçar o programa de renda mínima, o Renda Brasil, que vem sendo montado pelo governo.

Para Mourão, é preciso “arranjar um jeito” de tributar as transações financeiras:

— Eu acho que tem que ficar muito claro e não simplesmente criar um imposto por criar um imposto. Então, eu vejo que hoje a discussão está centrada em cima da desoneração da folha, então eu acho justo. Não abrangeria todos os tipos de transações. Hoje nós temos uma série de transações eletrônicas que são feitas e que não pagam tributo nenhum. Nós temos que arrumar um jeito de tributar isso aí.

O vice-presidente, no entanto, ressaltou que é o Congresso que irá resolver essa questão:

— Se o Congresso aceitar, significa que a sociedade brasileira aceita. Se não aceitar, paciência.

Na quinta-feira, Guedes anunciou que enviará ao Congresso a primeira parte da sua proposta de reforma tributária na próxima terça-feira, mas sem o imposto sobre pagamentos.

A primeira parte da reforma, segundo o ministro, irá criar um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) dual, que já era cogitado pela equipe econômica desde o ano passado.

Desde a época de campanha, Guedes insiste em criar essa nova modalidade de imposto, comparada à antiga CPMF. Mas a resistência política é grande.

Seu primeiro secretário da Receita Federal, Marco Cintra, caiu após defesa pública do imposto e veemente negativa do presidente Jair Bolsonaro.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também é fortemente contrário à proposta e, na quinta-feira, em entrevista à GloboNews, disse estar pensando em relançar a campanha “Xô CPMF”, criada pelo antigo PFL em 2007 para derrubar o então chamado “imposto do cheque”.

O governo tem colocado a proposta de uma reforma ou minirreforma tributária como moeda de troca para a desoneração da folha de pagamento.

Segundo a equipe econômica, a ideia é promover uma redução dos encargos incidentes sobre a mão de obra de forma mais ampla e não conceder mais um ano de recolhimento diferenciado para 17 setores que são grandes empregadores de mão de obra.

A prorrogação da desoneração da folha, que iria até o fim de 2021, foi vetada por Bolsonaro dentro da MP 936. Maia já disse, mais de uma vez, ser favorável à derrubada do veto, assim como outras lideranças da Câmara e do Senado.