Do Mais Goiás

Motoristas de ônibus fazem greve em Goiânia para exigir vacinação prioritária

Segundo o sindicato, 26 trabalhadores já morreram por causa da doença e outros 16 estão intubados

Usuários do transporte público (Foto: Jucimar Sousa / Mais Goiás)

Motoristas do transporte coletivo da Grande Goiânia realizam greve na manhã desta sexta-feira (9). Eles fazem mobilização na sede da Metrobus, na Vila Regina, na capital, e pedem vacinação prioritária para a categoria. De acordo com a Redemob Consórcio, apenas as linhas do Eixo Anhanguera foram interrompidas.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coeltivo Urbano de Goiânia, Sérgio Reis, a motivação da paralisação é busca por imunização e segurança dos motoristas durante a pandemia de Covid-19. Segundo ele, 26 trabalhadores já morreram por causa da doença e outros 16 estão intubados. Além disso, pelo menos 300 foram contaminados.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Mais Goiás (@maisgoias)

“Somos cerca de 3,5 mil motoristas. Nosso índice de óbitos está acima de 8%, enquanto a população em geral está com cerca de 2%. O secretário estadual de Saúde se comprometeu a vir conversar com a gente. Quando conversarmos com ele podemos voltar às atividades”, diz.

Ônibus abarrotados

Embora não use diretamente o Eixo Anhanguera, a babá Cleusa Martins aponta que a situação do transporte na manhã desta sexta-feira piorou. Ela, que faz o trajeto do Parque Oeste ao Setor Oeste, relata que os ônibus estão abarrotados desde pelo menos às 7h.

“Não parece ser só dos prioritários”, diz. “Consegui embarcar porque uma amiga me ajudou, do contrário, estaria esperando até agora”, continua.

Reportagem do Mais Goiás já mostrou que os usuários do transporte coletivo de Goiânia aprovam as reinvindicações. As empresas também se manifestaram favoráveis à vacinação dos trabalhadores, mas não aprovam a paralisação.

Nota

A Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) se manifestou sobre o assunto por meio de nota. Veja a íntegra:

“A CMTC entende que a paralisação de motoristas deflagrada nesta sexta-feira (09) tem apelo legítimo e espera que a categoria possa ser incluída no cronograma do Plano Nacional de Imunização- PNI, o mais rápido. Para a proteção de motoristas e trabalhadores que utilizam o sistema RMTC, a CMTC, como órgão gestor, tem trabalhado com os gestores públicos ações para mitigar os impactos da pandemia no sistema de transporte, seja em relação aos trabalhadores ou usuários, incluindo-se a exigência de medidas sanitárias mais rígidas pelas concessionárias, priorização de embarque dos trabalhadores em serviços essenciais, otimização dos horários de embarque fora dos períodos prioritários e álcool em gel nos terminais”.