Do Mais Goiás

Motoristas de ônibus adiam greve, mas podem parar de novo sem a vacina

Paralisação afetou ônibus na manhã de hoje (9) em Goiânia, mas logo foi interrompida

Foto: Jucimar de Sousa/Mais Goiás

A greve dos motoristas de ônibus de Goiânia e Região Metropolitana que estava prevista para hoje, sexta-feira (9), foi adiada. A ação chegou a começar nesta manhã e parou alguns ônibus, incluindo do Eixo Anhanguera, mas foi interrompida logo depois, com o fluxo voltando à normalidade. Contudo, conforme o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coeltivo Urbano de Goiânia (Sindicoletivo), se não houver a vacinação dos motoristas, eles poderão parar de novo.

A paralisação havia sido decidida em assembleia dos profissionais para ocorrer hoje. Eles exigem a vacinação com urgência da categoria contra a Covid-19, em decorrência, conforme o Sindicoletivo, da alta exposição diária ao coronavírus, o que tem causado a contaminação e morte dos trabalhadores.

No entanto, tão logo a paralisação foi deflagrada, a Justiça a considerou ilegal sob o argumento de que era “potencialmente grave o dano que eventual paralisação total do transporte público coletivo pode causar à coletividade”. Às 13h desta sexta, a circulação dos veículos já havia sido normalizada.

Ao Mais Goiás, o presidente do Sindicoletivo, Sérgio Reis, disse que a greve foi adiada devido à “falta de vacinas e sinalização da prioridade de vacinação dos trabalhadores do transporte coletivo”. Porém, segundo ele, se nos próximos lotes de vacina que chegarem não se iniciar a vacinação dos trabalhadores, os profissionais marcarão uma nova paralisação.