Manifestação

Motoristas de aplicativo farão protesto por revisão de tarifas e segurança, em Goiânia

Manifestação terá início às 9 horas, no Estádio Serra Dourada. O objetivo do movimento é o reajuste de tarifas na plataforma e o direito de resposta do motorista quando ele é bloqueado pelo aplicativo


Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 20/01/2020 às 20:08:22

Imagem de protesto dos motoristas de aplicativo em outubro do ano passado (Foto: Divulgação)
Imagem de protesto dos motoristas de aplicativo em outubro do ano passado (Foto: Divulgação)

Diversos motoristas de aplicativos se reunirão, na manhã de terça-feira (20), para uma manifestação em Goiânia. De acordo com o presidente da Associação de Motoristas de Aplicativo do Estado de Goiás (Amago), Leidson Alves, as pautas são reajustes de tarifas da plataforma e o direito de resposta do motorista quando ele é bloqueado pelo aplicativo.

O presidente explica que as tarifas estão defasadas há quatro anos. E também que muitos motoristas não têm o direito de explicação quando ocorre algum problema com passageiro. Com isso, o profissional acaba sendo suspenso da plataforma.

A manifestação terá início no Estádio Serra Dourada, por volta das 9 horas da manhã. De lá, os motoristas seguem para as sedes da Uber e da 99Pop, onde vão entregar as novas reivindicações. Posteriormente, alguns postos de gasolinas para vão passar pelo teste de proveta. O procedimento serve para verificar se a porcentagem de etanol misturada na gasolina é a determinada pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) – que é de 25%. E, com isso, identificar se o combustível é adulterado ou não.

Os motoristas também transitam lentamente pela Marginal Botafogo até a Rodoviária. “Estamos cansados de todas as situações que envolvem violência contra os motoristas. Recentemente passamos por um episódio de agressão envolvendo taxistas e motoristas. Aguardamos a conclusão do inquérito policial para identificar se houve motoristas do aplicativo marcando corridas fora da plataforma. Mas podemos dizer que ali nós não somos respeitados”, ressalta.

Essa será a segunda grande manifestação da classe. Em outubro do ano passado, a categoria fechou a BR-153. Um ofício foi entregue às duas empresas cobrando melhorias na plataforma e segurança. À época, o aumento no números de motoristas mortos fez com que a classe chamasse atenção dos órgãos responsáveis, inclusive da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Apesar disso, segundo Leidson, não houve respostas.

O Mais Goiás entrou em contato com a 99 Pop e a Uber e aguarda retorno das empresas.