Do Mais Goiás

Motorista de app agride passageira após discussão por balões no DF; vídeo

Mulher estaria levando bolo e balões para comemorar o aniversário em um shopping da cidade

Uma mulher de 29 anos foi agredida por um motorista de aplicativo, de 38, após uma discussão entre os dois por conta dos balões que a passageira levava dentro do carro. Caso aconteceu em Águas Claras, no Distrito Federal, na tarde do último sábado (5). Moradores presenciaram os momentos de violência.

A passageira Geraldina Lúcia de Oliveira Araújo, diz ter chamado o Uber com destino à um shopping da cidade para celebrar seu aniversários com os amigos. “Como eu estava levando bolo e balão, achei mais fácil ir de Uber. Quando ele chegou, eu entrei com a minha amiga e ele começou a reclamar, dizendo os balões atrapalhariam. Falou para eu colocar no porta-malas, mas eu disse que iria estourar e ele voltou a reclamar”, explica a passageira.

Geraldina e a amiga teriam descido do carro em seguida e informado ao homem que chamariam um novo motorista pelo aplicativo. “Depois, ele desceu e gritou: ‘Vai bater a minha porta, sua rapariga? Por que você pede Uber, sua puta, se você não vai pagar a corrida?’”, narra.

Ainda segundo a mulher, o motorista estourou os balões. “Fiquei muito brava, porque eu levei uma 1h30 para ir para Taguatinga comprar e mais 1h30 para voltar. Sem contar que esses balões são muito caros. Então, eu peguei na camisa dele e falei: ‘Você está doido?’. Nisso, ele começou a me bater”, diz a passageira.

Confira abaixo vídeo do momento em que o motorista agride a mulher:

Testemunhas

Durante a discussão, pessoas próximas tentaram parar as agressões e impedir que o motorista deixasse o local. Uma das testemunhas, o técnico de manutenção Lair Lima de Brito, acompanhou Geraldina até a delegacia.

“Eu estava recebendo uma encomenda lá do lado e vi a moça saindo do prédio, com os balões. Pouco tempo depois, o motorista desceu ao encontro dela e ouvi a palavra ‘rapariga’”, conta o vizinho.

“Ele deu dois tapas no rosto dela e chutou. Pegou o celular dela, talvez para ela não fazer nenhum contato, mas já estava todo mundo ligando para a polícia”, afirma. “Ela estava se defendendo, isso todo mundo viu, é fato. Era o dia do aniversário da moça e ela foi humilhada”, completa o técnico.

A versão do motorista

A Polícia Militar o motorista teria dito que foi agredido e se defendeu. Um dos policiais teria afirmado, na versão de Geraldina, que ela estava bem vestida, enquanto o homem estava com a camisa rasgada. “A minha sorte foi que havia uma mulher, porque os outros policiais queriam encerrar a ocorrência ali mesmo, mal me ouviram”, reclama.

Contudo, no boletim registrado consta que “todas as testemunhas apresentadas na delegacia disseram que apenas ele agrediu a vítima e teria rasgado as próprias vestes”. A ocorrência foi registrada na 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul) como “injúria” e “lesão corporal”.

O que diz a Uber

Em nota, a Uber afirmou que o perfil do motorista, está definitivamente fora do ar. “Este tipo de comportamento configura violação aos termos de uso da plataforma e a conta do motorista já foi desativada”, disse.

A Uber ainda ressaltou que “considera inaceitável e repudia qualquer ato de violência contra mulheres”. “A empresa acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos dessa natureza às autoridades competentes e se coloca à disposição para colaborar com as investigações, na forma da lei”, destacou.

*Com informações de Metrópoles