CV x PCC

Mortos em confronto são responsáveis por assassinatos em Goiânia, segundo PM

Trio que morreu em confronto com a Rotam neste domingo é membro de facção criminosa que extermina com crueldade os rivais


Jairo Menezes
Do Mais Goiás | Em: 05/02/2018 às 18:35:30

(Foto: PM-GO)
(Foto: PM-GO)

O trio que morreu em confronto com a equipe do batalhão de Rondas Ostensivas Táticas Metropolitana (Rotam) no domingo (5) é responsável por assassinatos cruéis, segundo a Polícia Militar (PM). Os últimos monitoramentos dos criminosos pelas equipes do serviço de policiamento reservado mostram formas de ações da quadrilha — um braço do Comando Vermelho (CV) que extermina os rivais da pior forma.

O grupo trocava mensagens em grupos de WhatsApp, e era através do aplicativo de mensagens instantâneas que as ordens eram dadas. As estratégias de ataques eram todas discutidas, sem nenhum pudor, durante as conversas do bando, como revelaram as investigações.

Erick Urbano Vieira, 24, o “Loirin”, Walensson Fonseca dos Reis Oliveira, 25, o “Maranhão” e Marrony Palhano Bezerra, 24, são suspeitos, segundo a PM, de participar de vários crimes no primeiro mês de 2018. Eles morreram ontem após um confronto com a Rotam, em uma casa no Residencial Buena Vista, na capital.

A policia chegou até o bando após abordar dois integrantes da quadrilha em um Corolla, às margens da GO-070. Gabrielen Carvalho de Araújo, de 20 anos, e Mateus da Silva estavam no carro com registro de roubo. Os dois levaram os policiais até os comparsas. Com os criminosos, armas de fogo foram apreendidas, pelo menos duas armas eram da Polícia Civil de Goiás.

No detalhe, Loirin, um dos integrantes do bando (Foto: PM-GO)

 

Vejam os últimos assassinatos:
9 de janeiro, Setor Sudoeste, Goiânia – Eghon Barbosa de Araújo, de 28 anos, enfim foi assassinado pelo bando criminoso. Ele estava na porta de um lava-jato e foi morto com mais de 20 disparos de arma de fogo. Dois homens usando máscaras cirúrgicas chegaram em um carro de modelo popular e seguem em direção à vítima, que não tem chance de se defender e morre antes da checada de socorro ou polícia.

Eghon quase foi morto no dia 11 de novembro de 2017, em um outro lava-jato, enquanto trabalhava como lavador. Dois homens chegaram armados e efetuaram vários disparos de arma de fogo contra o homem, que não foi atingido no dia. Um outro homem, também profissional do estabelecimento, é visto com uma arma de fogo, ao final do vídeo de monitoramento.

Segundo as informações da PM, um dos assassinos de Eghon é Loirin, a mando do líder do bando, Júlio Cesar da Silva Carvalho, 22, o Paulista, que comanda o bando direto do Paraguai. Fontes da corporação informaram que, ao ser identificado, Paulista recebeu as informações de que policiais estavam em sua procura e já providenciou sua saída do País. Ele é flagrado em áudios fazendo ameaça aos policiais.

Eghon Barbosa de Araújo (Foto: PM-GO)

 

Paulista, líder do bando (Foto: PM-GO)

13 de janeiro, Setor Amim Camargo, Goiânia – Amanda Hoehn Corrello, 21, e o marido dela, Patrik Rabelo de Sousa, 31, saíam de uma festa, minutos antes de serem assassinados. A saída do casal foi registrada por câmeras de monitoramento. Eles estavam na casa de uma ex-mulher de um traficante membro do Primeiro Comando da Capital (PCC), grupo rival do Comando Vermelho.

O carro em que o casal estava foi atingido com mais de 30 tiros de pelo menos dois calibres diferentes. Patrick já cumpriu prisão no Estado do Pará, e Amanda tinha vários registros de entrada em presídio.

(Foto: PM-GO)

3 de fevereiro, Setor Nova Esperança, Goiânia – Gustavo Durães de Almeida, que completava 20 anos, foi morto na lanchonete que mantinha. Ele, segundo o bando, se envolveu em crimes contra a quadrilha. O rapaz, que saiu da Casa de Prisão Provisória (CPP) em agosto de 2017, tinha passagem por receptação, e respondia em liberdade pelo crime. Em áudios, membros do bando combinam o assassinato.

(Foto: PM-GO)

29 de janeiro, Vila Canaã, Goiânia – Danilo Rodrigues da Silva, 28, tinha acabado de chegar a uma loja. Ele havia acabado de chegar de Anápolis. O homem foi morto com tiros de pistolas nas costas e os policiais acreditam terem sido os membros do bando responsáveis pelo homicídio. A vítima tinha mais de 10 passagens pela polícia, por crimes diversos.

(Foto: PM-GO)