FolhaPress

Morre Alfredo Bosi, um dos maiores críticos literários do Brasil, de Covid, aos 84 anos

Ele estava internado em um hospital de São Paulo com Covid-19

Morre Alfredo Bosi, um dos maiores críticos literários do Brasil, de Covid, aos 84 anos
Morre Alfredo Bosi, um dos maiores críticos literários do Brasil, de Covid, aos 84 anos

Morreu nesta quarta-feira, aos 84 anos, o escritor Alfredo Bosi, professor emérito da Universidade de São Paulo, membro da Academia Brasileira de Letras e um dos maiores críticos literários do país.

Ele estava internado em um hospital de São Paulo com Covid-19. Segundo pessoas próximas ao crítico, ele não estava intubado e sua situação era considerada estável nos últimos dias.

A informação foi confirmada pela Companhia das Letras, editora na qual publicou obras como “Dialética da Colonização”, de 1992, e “Brás Cubas em Três Versões: Estudos Machadianos”, de 2006.

Nascido em São Paulo, Bosi se formou em letras pela USP, onde também obteve doutorado em literatura italiana. Após estudar na Itália por dois anos, passou a dar aulas de língua e literatura italiana na instituição.

Aos 34 anos, em 1970, publicou “História Concisa da Literatura Brasileira”, manual que rapidamente se tornou referência em estudos literários e o firmou como nome de proa na crítica brasileira. No mesmo ano, obteve o título de livre-docência pela USP.

Em 1997, se tornou diretor do Instituto de Estudos Avançados da universidade e em seguida passou a editar a revista Estudos Avançados. Em 1993, venceu o prêmio Jabuti na categoria de ciências humanas.

Dez anos depois, assumiu uma cadeira na Academia Brasileira de Letras. Entre suas principais obras também estão “O Ser e o Tempo da Poesia”, “Céu, Inferno: Ensaios de Crítica Literária e Ideológica”, “Dialética da Colonização” e “Literatura e Resistência”. Escreveu, para a coleção Folha Explica, um livro sobre Machado de Assis em 2002.

O crítico era viúvo da psicóloga Ecléa Bosi, também professora emérita da USP morta há quatro anos, e deixa os filhos Viviana e José Alfredo.