Agência O Globo

Morre a cineasta Sarah Maldoror, pioneira do cinema africano, vítima da Covid-19

Diretora de filmes como 'Monangambé' e 'Sambizanga' tinha 91 anos

Morreu nesta segunda-feira, em Paris, a cineasta Sarah Maldoror, vítima de coronavírus. Considerada uma pioneira do cinema africano, a diretora de filmes como o longa
Morreu nesta segunda-feira, em Paris, a cineasta Sarah Maldoror, vítima de coronavírus. Considerada uma pioneira do cinema africano, a diretora de filmes como o longa "Zambizanga" (1972) e o curta "Monangambé" (1968) tinha 91 anos.(Foto: reprodução)

Morreu nesta segunda-feira, em Paris, a cineasta Sarah Maldoror, vítima de coronavírus. Considerada uma pioneira do cinema africano, a diretora de filmes como o longa “Zambizanga” (1972) e o curta “Monangambé” (1968) tinha 91 anos.

Sarah nasceu no sul da França, filha de mãe francesa e pai guadalupense, e foi casada com o poeta e político angolano Mário Pinto de Andrade, fundador do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido que governa o país africano desde sua libertação de Portugal, em 1975. Por isso, Sarah era conhecida também por seu ativismo anticolonialista.

Ela estudou cinema em Moscou, onde conheceu o senegalês Ousmane Sembène, conhecido como pai do cinema africano. Foi assistente de produção de Gillo Pontecorvo em “A batalha de Argel” (1965), filmado na capital argelina. O filme ganhou o prêmio principal do Festival de Veneza.

O primeiro filme autoral de Sarah foi “Monangambé”, inspirado em romance do escritor angolano José Luandino Vieira, que na época estava preso em um campo de concentração no Cabo Verde.

A obra de Luandino inspirou também o grande sucesso de Sarah, “Sambizanga”, que contou com assistência de Mário Pinto de Andrade no roteiro. O filme conta a história de Maria, habitante de um bairro precário de Luanda, que dá nome ao filme.

Durante a revolução de 1961, Maria percorre as cadeias da cidade a procura de seu marido, que tinha sido torturado e morto.