Do Mais Goiás

Moradores reclamam da precariedade da GO-439, entre Guarinos e Pilar de Goiás

Em decorrência das chuvas, o local, que não é asfaltado, ficou completamente intransitável

O que seria uma via para facilitar a locomoção, se tornou sinônimo de prejuízo e perigo para motoristas. Esta é a situação de quem precisa acessar a GO-439, que liga os municípios de Guarinos e Pilar de Goiás, na região Norte do estado.  Um vídeo feito por um morador da cidade e enviado ao Mais Goiás, nesta sexta-feira (18), mostra a precariedade da estrada da rodovia, na altura da Serra do Pilar.

.  Nas imagens, é possível observar a rodovia cheia de lama, pedra e entulho. A filmagem mostra ainda a tentativa de alguns motoristas de passar pela via. Outros, já do lado de fora dos veículos, aguardam a possibilidade de travessia.

Morador da cidade de Guarinos, o microempresário e vereador Wanderlei de Lima Sousa (MDB) contou à reportagem que o problema é antigo. Segundo ele, a população luta pelo asfalto da GO há cerca de 20 anos. Em julho do ano passado, as atividades no local foram iniciadas, mas suspensas em dezembro por conta do período de chuva.

De acordo com ele, a cidade fica prejudicada, já que a via de acesso mais rápida às cidades vizinhas não possui condições seguras de tráfego. “Não temos hospital aqui (Guarinos), por exemplo. O mais próximo fica em Itapaci. Outras estradas que dão acesso a este município estão a 50, 60 km de distância. É uma volta muito grande”, afirmou.

Além disso, Wanderlei ressaltou o prejuízo ao setor econômico e turístico. Para ele, as riquezas do município como as cachoeiras, mineração e a romaria de Nossa Senhora da Penha não são tão exploradas devido à dificuldade de acesso à região. “A conclusão da obra é um sonho de todos os moradores. Temos diversas atividades para desenvolver, mas o primeiro passo para que isso aconteça é a melhoria da GO”, disse.

A reportagem entrou em contato com a Agência Goiana de Transporte e Obras (Agetop), responsável pelas rodovias estaduais que, por meio de nota, alegou que a rodovia “está em processo de pavimentação, entretanto, por causa do período chuvoso, os serviços de terraplanagem estão paralisados.” O texto também ressalta que está sendo garantido a “trafegabilidade mínima nos pontos de desvio da obra.”

*Matéria atualizada às 16h42 para a inserção da nota resposta da Agetop