Falhou na reta final

Missão israelense que tentou pouso privado na Lua falha

Motor principal falhou na fase final do pouso e se desligou, deixando o veículo em queda livre


FolhaPress
FolhaPress
Do FolhaPress | Em: 11/04/2019 às 21:15:33

(Fonte: ABR)
(Fonte: ABR)

Terminou em fracasso, nesta quinta-feira (11), a primeira tentativa privada de realizar um pouso na Lua. O módulo Beresheet (“no princípio”, em hebraico), da organização israelense SpaceIL, perdeu contato durante o procedimento de descida, a apenas 149 metros da Lua, numa falha durante a aproximação final.

Aparentemente, o motor principal falhou na fase final do pouso e se desligou, deixando o veículo em queda livre. Os engenheiros ainda conseguiram reativá-lo, mas aparentemente foi tarde demais. Ainda não está claro exatamente o que deu errado, mas é certo que a missão não foi bem-sucedida e deve ter se espatifado em solo lunar. A perda de contato aconteceu às 16h25 (de Brasília).

“Primeiro você falha, aí você tenta de novo”, disse o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que estava no centro de controle para acompanhar a descida. “Tivemos uma falha na espaçonave, infelizmente não conseguimos pousar com sucesso”, disse Opher Doron, gerente-geral da Israel Aerospace Industries (IAI), a fabricante do Beresheet. “É uma realização tremenda até aqui.”

De fato, resta à equipe da SpaceIL o entusiasmo de ter tornado seu país o sétimo no mundo a orbitar a Lua com sucesso (depois de Rússia, EUA, China, Índia, Japão e os países congregados na Agência Espacial Europeia) e o quarto a tentar chegar à superfície de forma controlada -ainda que não de forma bem-sucedida.

Também foi a primeira missão privada a orbitar a Lua. Sua última imagem, obtida a 22 km de altitude, mostrava a bandeira israelense, com os dizeres “Small country, big dreams” (“país pequeno, grandes sonhos”).

Iniciada em 2011, a Beresheet nasceu quando a SpaceIL se inscreveu para disputar o Prêmio X Lunar Google, competição que oferecia US$ 20 milhões a quem conseguisse pousar na Lua com um robô, tirar fotos, e deslocar-se até 500 metros pela superfície.

O concurso terminou sem vencedores, mas a SpaceIL não desistiu de voar e continuou a desenvolver seu módulo de pouso, que tem apenas 180 kg (fora o combustível).

Na última quinta (4), a nave se encontrou com o satélite natural e, ativando novamente seus propulsores por seis minutos, ajustou a velocidade para ser capturada pela gravidade lunar, numa órbita com perilúnio (ponto de aproximação máxima da superfície lunar) de 470 km. Ajustes nos dias subsequentes colocaram a Beresheet numa órbita com perilúnio de apenas 15 km – praticamente a mesma altitude de um voo de avião comercial.

A etapa final consistia em realizar uma última queima dos propulsores, durante 20 minutos, até concluir a alunissagem. Os israelenses chegaram muito perto de conseguir.

Foram investidos US$ 100 milhões no projeto, provenientes de doadores privados, e, apesar do fracasso, é improvável que este seja o ponto final da história. O módulo segue sendo aperfeiçoado e novas tentativas devem acontecer no futuro.

A ideia é desenvolver um veículo que possa realizar missões comerciais à Lua. A própria ESA (Agência Espacial Europeia) se mostrou interessada na tecnologia do Beresheet. Mas, claro, antes que isso possa acontecer, os engenheiros terão de descobrir exatamente o que deu errado.