Ministério Público defende torcida única para jogos do Goiás e Vila Nova

Ação funciona como uma medida de precaução até que sejam implementadas medidas de segurança mais eficazes


Juliana França
Do Mais Goiás | Em: 21/09/2017 às 16:46:32

No último clássico, compareceram mais de 30 mil torcedores e 700 policiais militares foram designados para atuarem na partida (Foto: Reprodução)
No último clássico, compareceram mais de 30 mil torcedores e 700 policiais militares foram designados para atuarem na partida (Foto: Reprodução)

O Grupo de Atuação Especial em Grandes Eventos do Futebol (GFUT) do Ministério Público de Goiás (MPGO) pretende adotar medidas que garantam a segurança dos torcedores em jogos realizados no Estádio Serra Dourada, em Goiânia.

Entretanto, até que essas medidas sejam implementadas, o GFUT requer que as partidas entre Vila Nova e Goiás sejam realizadas apenas com uma torcida. Entre as medidas de segurança que devem ser adotadas está a implantação de catraca biométrica para identificação dos torcedores. Além de um local específico, isolado e controlado para as torcidas organizadas, sob pena de multa de R$ 1 milhão por jogo realizado irregularmente.

O GFUT requer ainda que os dois clubes, quando tiverem o mando de jogo, não vendam ingressos para a torcida visitante, até a implementação dessas medidas de segurança. A multa será de R$ 500 mil por jogo realizado em descumprimento da liminar.

O MP está acionando a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a Federação Goiana de Futebol (FGF), o Goiás Esporte Clube, o Vila Nova Futebol Clube e a Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop). A ação é assinada pelos promotores de Justiça Márísia Sobral Massieux, Sandro Henrique Halfeld e Diego Osório Cordeiro.

Os promotores ressaltam que a rivalidade histórica entre as equipes, que soma inúmeros episódios de confronto ao longo dos anos, e as péssimas condições de conservação e segurança do Estádio Serra Dourada, motivam a propositura da ação visando garantir a segurança dos torcedores.

Histórico

Em junho deste ano, o GFUT foi oficializado pela Associação Nacional das Torcidas Organizadas do Brasil (Anatorg) solicitando a realização de um plano de segurança das torcidas organizadas para o Goiás e Vila.

No dia 24 daquele mês, seria realizada uma partida entre os dois times e o estacionamento estaria fechado para preparação do Vila Mix. Sendo assim, os torcedores dos dois times partilhariam uma das alas para a entrada, sem separação alguma. A Anatorg e o próprio Batalhão da Polícia Militar de Eventos estavam em estado de alerta sobre o jogo.

Os promotores recomendaram à CBF, organizadora da competição, e ao Goiás Esporte Clube, detentor do jogo, a realização com torcida única ou alteração do local do jogo. A orientação foi ignorada, e imagens das câmeras de segurança registraram brigas e confusão generalizada. Além de suposta tentativa de homicídio contra torcedor do Goiás, com chutes e pontapés na cabeça, logo após o encerramento do jogo.

Após esse episódio, o GFUT requisitou a instauração de inquérito policial para apuração dos crimes, solicitando a aplicação de punição exemplar aos clubes envolvidos. Os promotores ressaltam que em processo instaurado na Comissão Disciplinar desse órgão, em decisão liminar, interditou o Serra Dourada.

Posteriormente, a decisão final condenou o Goiás Esporte Clube à multa de R$ 40 mil e o Vila Nova Futebol Clube à multa de R$ 30 mil.

 

*Juliana França é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Thaís Lobo