Após vazamento

Ministério do Trabalho interdita frigorífico em Senador Canedo

Na terça-feira (20), um vazamento de amônia no local deixou 32 pessoas intoxicadas




A Superintendência do Ministério do Trabalho em Goiás informou, por meio de nota, que interditou o frigorífico JBS, em Senador Canedo. Na terça-feira (20), um vazamento de amônia no local deixou mais de 60 trabalhadores intoxicados.

Segundo a nota, o órgão interditou todo o sistema de tubulação que operam os gases tóxicos, como a amônia, do frigorífico. “Consequentemente todo o sistema de produção de carnes foi interditada. Afirmamos que a área administrativa do frigorifico continua funcionando normalmente”, diz o texto.

De acordo com o auditor fiscal Rogério Silva Araújo, que integrou a equipe de fiscalização realizada hoje na unidade, os funcionários estavam sujeitos a novos vazamentos. “Além disso, identificamos falta de inspeção das tubulações que transportam os gases sob pressão, em especial as que transportam amônia”, explica Rogério. “Sem falar no enorme risco de explosão”, acrescentou.

O frigorífico já havia recebido três autuações entre junho e agosto deste ano por irregularidades no sistema de amônia. A fiscalização ainda lavrou, nos últimos três meses, 78 autos de infração por violação às normas de proteção ao trabalho, sendo que 67 foram por descumprimento das normas de segurança e saúde no trabalho.

O vazamento que deixou mais de 60 trabalhadores é o terceiro acidente em instalações da JBS só este ano no Brasil. “Nosso foco é a segurança do trabalhador e vamos continuar intensificando as ações de fiscalização em todo o Estado. Esse tipo de acidente não pode se repetir”, completa Rogério.

O frigorífico terá que se adequar a todas as exigências e regularizar os sistemas de tubulação para que os profissionais voltem a trabalhar normalmente.