‘Milícia não é a principal chaga do estado’, diz Witzel

O governador negou ainda que a milícia tenha atrapalhado os trabalhos de buscas na favela


FolhaPress
FolhaPress
Do FolhaPress | Em: 18/04/2019 às 20:00:51

Governador Wilson Witzel, durante coletiva (Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo)
Governador Wilson Witzel, durante coletiva (Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo)

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), afirmou nesta quinta-feira (18) que não considera a milícia a “principal chaga do estado”. “Não acredito que a milícia seja a principal chaga do estado, não. Ela é uma organização criminosa, que estamos combatendo”, afirmou ele em entrevista à rádio CBN.

Investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro apontam para o crescimento e fortalecimento dos grupos paramilitares no estado. É uma quadrilha do tipo que atua na favela da Muzema, onde dois prédios desabaram e 20 pessoas morreram.

O governador negou ainda que a milícia tenha atrapalhado os trabalhos de buscas na favela. Na manhã desta quinta-feira, jornalistas deixaram a área após serem filmados e fotografados por homens não identificados. “Bombeiro está trabalhando lá há vários dias e não teve nenhum problema. Ninguém chegou no bombeiro e falou: ‘Não trabalha aqui’. Se fizer isso, vai ser preso. Se tiver armado, vai ser morto. Não existe essa possibilidade de insegurança. Estamos operando com o batalhão da área”, disse Witzel.

“Se alguém se sentir ameaçado, pode ligar para mim e imediatamente vou tomar providência”, declarou o governador. Ele disse que a Polícia Civil está sendo equipada para investigar o crime organizado do estado, incluindo tanto a milícia como as facções de traficantes. “Quando se fala em crime organizado, estamos incluindo todas as organizações que estão aparelhando o crime com armas, dominação de território e negócios escusos.

A Draco [Delegacia de Repressão ao Crime Organizado] está voltada para a investigação da milícia. A milícia age de forma dissimulada, não é ostensiva como são os traficantes, que dominam territórios, que tem fuzis. A milícia muitas vezes corrompe policiais. Tem que ser investigada como se investiga a máfia”, disse o governador.

Witzel comemorou ainda os resultados do primeiro trimestre na segurança pública. De acordo com o ISP (Instituto de Segurança Pública), houve uma queda de 26% no número de vítimas de homicídios dolosos em relação aos três primeiros meses de 2018. Houve, contudo, uma alta de 18% nos casos de mortes provocadas por policiais em supostos confrontos.

“Meu governo está sendo marcado por uma política de segurança para proteger o cidadão de bem. Estamos demonstrando para a vagabundagem que tem que respeitar a polícia”, disse ele.

Tópicos