Confissão

Menor que matou professor em Valparaíso escondia arma em urso de pelúcia

Adolescente matou o professor com três tiros após discussão na quinta-feira (2). Após o crime, menor enterrou revólver em um terreno baldio


Fabricio Moretti
Do Mais Goiás | Em: 02/05/2019 às 18:17:37

O professor Júlio César Barroso de Sousa foi morto com três tiros (Foto: Reprodução/Facebook)
O professor Júlio César Barroso de Sousa foi morto com três tiros (Foto: Reprodução/Facebook)

O menor de 17 anos apreendido na última quarta-feira (1º) após matar o professor de um colégio no município de Valparaíso, confessou à Polícia Civil que a arma utilizada no crime era sua, e não emprestada de um terceiro, como ele teria dito anteriormente. Segundo o delegado responsável pelo caso, Rafael Abrão, o adolescente disse que, antes do crime, guardava a arma em um urso de pelúcia.

“Ele afirmou que comprou o revólver há cerca de um ano na feira do pedregal, em Novo Gama e escondia o objeto dentro de um urso de pelúcia no próprio quarto, sem que os pais soubessem”, esclareceu o delegado. Na manhã desta sexta-feira (2), o jovem indicou aos policiais que a arma do crime, um revólver calibre 38, estava enterrado em um terreno baldio.

O adolescente foi ouvido na tarde desta sexta-feira na Vara da Infância e Juventude de Goiás (VIJ-GO). “Ele confessou o crime, disse que após discutir com o professor e ser expulso, ficou de ‘cabeça quente’ e muito nervoso. Foi até em casa e, sem que a família percebesse, pegou a arma de dentro do urso e retornou à escola”, disse o delegado.

O revólver agora irá passar por uma perícia de confronto balístico. “É feita uma comparação entre os projéteis os quais foram retirados do corpo da vítima e comparados com o da arma, para confirmar se as balas foram de fato disparadas pela arma em questão” explica Abrão.

Arma utilizada no crime em Valparaíso (Foto: Reprodução/Polícia Civil)

Arma utilizada no crime em Valparaíso (Foto: Reprodução/Polícia Civil)

Caso

Júlio César Barroso de Sousa, 41 anos, professor e coordenador do Colégio Estadual Céu Azul em Valparaíso, foi alvejado com três disparos na tarde da última terça-feira (30). O menor, que confessou o crime, disse que discutiu com Júlio horas antes do assassinato. O Samu e o Corpo de Bombeiros chegaram a ser acionados, mas o professor não resistiu.

Ao sacar o revólver na direção do professor, a vítima tentou correr, mas foi atingido nas costas. Com o homem no chão, o adolescente ainda efetuou um disparo a curta distância.

Após o ocorrido, as aulas nos colégios estaduais de Valparaíso foram suspensas e retornarão somente na próxima segunda-feira (6). Um cartaz de luto foi colocado no portão do colégio.

Enterro

Colegas, familiares e amigos se reuniram por volta das 7h da manhã desta quinta-feira (2) na capela Divino Espírito Santo, em Santa Maria, no DF. O corpo de Júlio César foi levado para o Cemitério de Brazlândia, onde será sepultado.

Júlio César era casado e deixa dois filhos, um de quatro e um de seis anos.