Maus-tratos

Menino de 3 anos agredido é encontrado sozinho em mata, no Setor Santa Fé

Pais da criança disseram à PC que a criança teria se perdido da família enquanto eles faziam caminhada; caso será investigado pela DPCA


Thaynara Cunha
Do Mais Goiás | Em: 10/06/2019 às 13:11:42


Um menino de 3 anos foi encontrado sozinho, na madrugada desta segunda-feira (10), em uma mata localizada no Residencial Santa Fé I, região Sudoeste de Goiânia. Segundo informações da Polícia Civil (PC), o garoto estava com vários hematomas pelo corpo e foi encontrado por uma passageira de um motorista de aplicativo.

Os pais disseram à polícia que a criança não havia sido abandonada, mas estava perdida. A família teria o hábito de caminhar durante a madrugada por ser um horário mais tranquilo e em razão da mãe ter insônia. O menino teria se afastado do grupo no trajeto e se perdido.

À polícia o motorista de aplicativo relatou ter avistado a criança logo após iniciar uma corrida, na Rua das Fadas. Ele e a passageira avistaram um vulto às margens da mata e identificaram se tratar de uma menino pequeno. Temendo pela segurança do menor, o motorista decidiu se aproximar do pequenino, que começou a correr.

Poucos minutos depois, a criança parou e o condutor disse que só queria levá-lo até a mãe e era perigoso ficar sozinho. Foi só então que o menininho aceitou entrar no carro. O motorista levou a criança para a Central Geral de Flagrantes.

Foi solicitado o exame de corpo de delito para verificar o estado da criança. Agentes da PC realizaram diligências e foram informados de que os familiares da criança teriam acionado a Polícia Militar (PM) devido ao sumiço do garoto. Os pais do menino compareceram à unidade policial levando os outros dois filhos, um menino de seis anos e uma menina de dois anos, ambos também apresentavam hematomas e sinais de maus-tratos.

Segundo relato da PC, como os pais da criança se apresentaram espontaneamente à delegacia, a autoridade não viu necessidade de prisão em flagrante. Caso será investigado pela delegada Ana Elisa Gomes, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

O Mais Goiás tentou contato com a delegada, mas as chamadas não foram atendidas. Uma coletiva de imprensa será organizada pela delegacia para repassar mais informações sobre o caso.