Greve

Médicos da CASSI realizam paralisação de advertência

A decisão foi tomada durante a Assembleia Geral Extraordinária (AGE), convocada pelo Sindicato dos Médicos no Estado de Goiás (Simego).





//

A partir de hoje (27/05), os médicos vinculados à Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) paralisaram suas atividades eletivas por tempo indeterminado. Apenas os atendimentos de urgência e emergência serão atendidos.

A decisão foi tomada durante a Assembleia Geral Extraordinária (AGE), convocada pelo Sindicato dos Médicos no Estado de Goiás (Simego).

Os médicos reivindicam o  cumprimento do acordo firmando entre os integrantes do Grupo Unidas no Estado de Goiás e as entidades que representam os prestadores de serviços da área de saúde realizado em 2014, que tinha como objetivo a recomposição do valor dos honorários com a adoção de reajuste, aplicando-se o índice de reposição inflacionário da FIPE/Saúde,

Para o presidente do Simego, Rafael Cardoso Martinez, a expectativa é que a paralisação sirva de alerta para os gestores da caixa de autogestão. “Os médicos prestadores de serviço da CASSI estão descontentes com o desrespeito demonstrado pela operadora, muitos já pensam em se descredenciar. Esperamos que a negociação seja retomada e o impasse solucionado”, afirmou.

Segundo o sindicato, desde agosto de 2013 a CASSI vem descumprindo os compromissos assumidos com a categoria médica. Somente após seis meses da celebração do acordo, já em 2014, a Caixa de autogestão começou a praticar os valores acertados e o ressarcimento da diferença.

No ano de 2014 o episódio se repetiu: os índices foram reajustados, mas não houve pagamento.  Em 2015 o aumento não foi fruto de negociação. No início deste mês a operadora impôs um valor e iniciou o pagamento.

Tópicos