Martírio vence os principais prêmios do FICA

Filme sobre a retomada de terras pelos Guarani-Kaiowá foi escolhido por unanimidade pelo júri

A 19ª edição do Festival de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA) chega novamente ao fim. A premiação trouxe algumas surpresas e consagrou o longa Martírio, de Vincent Carelli, como grande favorito. A premiação aconteceu na manhã deste domingo (25) no Cineteatro São Joaquim com a presença ilustre da secretária de Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, da atriz convidada Dira Paes e do jornalista André Trigueiro.

A premiação foi aberta com uma solene homenagem ao cineasta goiano Luís Eduardo Jorge, diretor do premiado Césio-137: O Brilho da Morte, falecido no último dia 27 de maio. Ele foi relembrado em um discurso emocionante do amigo e companheiro de cinema Kim-Ir-Sen.

Já, Martírio, documentário vencedor com impressionantes três horas de duração, foi exibido no último dia da mostra competitiva (sábado, 24) e continuou sua premiada trajetória. O filme venceu nas categorias de Melhor Longa-Metragem e também levou pra casa o troféu Cora Coralina de Melhor Filme.

O filme entrou em circuito em setembro do ano passado e de lá pra cá vem acumulando prêmios por onde passa. Fruto de uma extensa pesquisa e longos anos de filmagens, ele relata o processo da Retomada: a luta dos índios Guarani-Kaiowá por suas terras ancestrais no sudoeste do Mato Grosso do Sul.

A produção não apenas acompanha a luta diária de diversas aldeias indígenas na região, mas também traz toda a trajetória histórica da tribo Guarani-Kaiowá desde a Guerra do Paraguai até os dias de hoje e todas as reviravoltas dessa história.

Foto: Alice Orth

Se trata do segundo filme da Trilogia Indigenista de documentários encabeçada por Carelli, sendo o primeiro longa Corumbiara. Nas duas categorias em que saiu vencedor, Martírio foi eleito por unanimidade pelo júri. Carelli infelizmente não esteve presente na premiação, em parte por estar envolvido com a terceira parte dessa jornada, Adeus, Capitão, ainda sem previsão de estreia.

Porém, o filme mais premiado, no total, foi o curta goiano de ficção Algo do que Fica. Dirigido por Benedito Ferreira, o curta levou, ao todo, quatro prêmios, sendo três da Mostra ABD-Goiás e um sendo o prêmio de Melhor Filme Goiano da Mostra Competitiva do FICA.

Na ABD, o filme levou os prêmios de Melhor Ator, Melhor Fotografia e Melhor Filme de Ficção. No curta, Benedito conta a história de uma família que precisa se mudar do lote vizinho ao que ocorreu o acidente do césio-137 em Goiânia. Em seu discurso, o cineasta dedicou o prêmio às vítimas do acidente radiológico e fez questão de ressaltar a importância do assunto: “Goiânia tem 84 anos, 30 deles marcados por essa tragédia. Nós precisamos falar mais sobre isso”.

Real Conquista, filme de estreia da cineasta Fabiana Assis sobre a violenta desocupação do bairro foi premiado como 2º Melhor Filme Goiano da Mostra Competitiva. Ele também venceu o prêmio ABD de Melhor Documentário.

Duas surpresas vieram no prêmio do júri e no troféu imprensa. O público elegeu como melhor filme o vilaboense Terra e Luz, do estreante Renné França. Se trata de um longa de ficção que mostra a Cidade de Goiás infestada por vampiros.

Foto; Alice Orth

Já a imprensa ignorou o favoritismo de Martírio e elegeu Ninguém Nasce no Paraíso como Melhor Filme. Dirigido pelo cineasta do Distrito Federal Alan Schvasberg, ele acompanha a polêmica decisão de não permitir nascimentos na ilha de Fernando de Noronha em que toda mulher grávida precisa ir embora ao completar sete meses de gravidez.

Por fim, a Mostra ABD Goiás ainda deu dois prêmios para os cineastas Rafael Franco, que venceu nas categorias de Melhor Animação e Melhor Roteiro por A Noiva do Coelhinho, e a estreante vilaboense Yolanda Margarida, de Procura-se Marina, vencedor nas categorias de Melhor Atriz e Melhor Direção.

Enfim, o FICA deste ano se encerra com mais de 100 horas de projeção com filmes de 10 nacionalidades. Segundo números oficiais da SEDUCE, 3.4 mil pessoas acompanharam a Mostra Competitiva, apenas uma das oito mostras de cinema do festival. Ainda de acordo com a secretaria, 363 filmes se inscreveram, dos quais apenas 25 foram selecionados para a competição.

O festival será encerrado oficialmente na noite deste domingo (25) com show de Pádua e do sambista Diogo Nogueira.