LUZIÂNIA

Marido da prefeita de Luziânia é condenado por tratar trabalhadores como escravos, mas não paga pena

Apesar de ter feito acordo com Justiça Trabalhista, valor nunca foi pago. Advogado é o mesmo que defende Cristóvão, aliado de Edna


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 15/09/2020 às 15:40:44

Prefeita de Luziânia, Edna Aparecida (Foto: reprodução)
Prefeita de Luziânia, Edna Aparecida (Foto: reprodução)

O empresário Edson de Souza Ribeiro, o “Edinho”, marido da atual prefeita de Luziânia, Edna Aparecida Alves, foi condenado em Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). A condenação se deu após o órgão ter encontrado pessoas que trabalhavam de forma análoga à escravidão em uma fazenda de sua propriedade, a “Riacho Doce”, localizada em Itupiranga (PA), cidade a 600 quilômetros da capital Belém.

À época, fiscais do MPT, delegados e agentes da Polícia Federal depararam com vários trabalhadores em situações precárias de higiene e segurança. Edinho também mantinha em trabalho análogo à escravidão seis menores de idade, que, segundo o Ministério Público, tentavam da fazenda por não terem o que comer há dois dias. Também constataram que, no local, não havia o fornecimento de água potável; os trabalhadores não eram registrados; os alojamentos não tinham condições sanitárias adequadas.

A condenação de Edinho ocorreu em 2012, quando foi acordado que ele pagaria multa de R$ 40 mil – o valor jamais foi quitado por ele. No mês passado, em agosto, o MPT voltou à carga contra Edinho e determinou que a dívida seja executada – o valor atualizado, com juros e correção monetária, encontra-se em R$ 131 mil. A partir de agora, todo e qualquer bem registrado em nome de Edinho pode ser apreendido até que o valor seja integralmente quitado.

Clique aqui e também aqui para ver a documentação do processo.

Mas Edinho continua a escapar da Justiça. E a Justiça deu início a uma verdadeira varredura em Cartórios de Registros de Imóveis em diversas cidades. O Ministério Público do Trabalho também solicitou o bloqueio de valores encontrados em contas correntes e também a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) dele.

Esse é mais um escândalo que atinge a Edna e sua família. Ela já foi alvo de denúncia do Ministério Público de desvio de recursos públicos quando era vereadora e agora, como prefeita, já responde a dois inquéritos no Ministério Público Estadual e um inquérito na Polícia Federal. O Ministério Público chegou a pedir o afastamento da prefeita no mês passado.

O processo contra o marido da prefeita, Edinho, ainda traz um detalhe curioso: o advogado de Edinho é Reuler Machado, o mesmo que defende o prefeito afastado de Luziânia, Cristóvão Tormin, suspeito de crime de importunação sexual contra servidoras do município, de quem Edna era vice e aliada política.