Do Mais Goiás

Marconi lamenta morte de Fidel Castro

Governador, contudo, não deixou de criticar o modelo ditatorial de gestão do líder cubano

Marconi Perillo se manifestou neste sábado (26) sobre a morte de Fidel Castro. Em nota, o governador diz lamentar a morte do revolucionário que “inspirou gerações de jovens goianos”, mas não deixou de criticar o modelo ditatorial de gestão do líder cubano. “[Fidel] alcançou vitórias decisivas para os cubanos, mas que de fato a este povo não proporcionou o desfrute das liberdades e do desenvolvimento alcançáveis apenas no inclusivo patamar da democracia.”

Confira a nota na íntegra:

“Com sua imagem histórica e controvertida de um verdadeiro libertador que, porém, insistiu em manter-se por décadas no poder para, declaradamente, resistir aos avanços dos vizinhos EUA e de um capitalismo visto por ele como corrupto e corruptor, Fidel Castro inspirou gerações de jovens goianos que, à semelhança de líderes como ele e Che Guevara, lançaram-se na vida política como uma maneira de buscar seu sonho de unidade e de libertação dos países da América Latina.

Lamentemos aqui, portanto, a morte desse líder que inspirou um importante número de nossos jovens e que alcançou vitórias decisivas para os cubanos, mas que de fato a este povo não proporcionou o desfrute das liberdades e do desenvolvimento alcançáveis apenas no inclusivo patamar da democracia.

Fidel Castro, tantas vezes presente em momentos importantes na história da América Latina, serviu e servirá para sempre como representação clara de um muitas vezes equivocado, mas sempre inteligente e articulado guerreiro em busca de seus ideais.

O Governo de Goiás age fortemente para que o legítimo desejo de liberdade e de união, que na verdade pertence a todos, possa concretizar-se por fim e efetivamente na maneira pacífica, democrática e republicana da cooperação internacional, da paz, do livre-comércio e de uma crescente boa vontade entre os povos e seus líderes envolvidos na busca da prosperidade e do bem-estar social.”