Estadao Conteúdo

Mais de 1 milhão se oferecem para ser voluntários de teste da vacina contra Covid-19

Teste é para vacina chinesa que está sendo testada no Brasil. Ao todo, nove mil voluntários serão testados

Goiás se aproxima dos 240 mil casos de coronavírus
Goiás se aproxima dos 240 mil casos de coronavírus

Mais de um milhão de pessoas se candidataram para ser voluntárias nos testes da Coronavac, vacina chinesa que vem sendo testada no País desde a semana passada e que é fruto de uma parceria do Instituto Butantã e a empresa Sinovac Biotech. A informação foi dada pelo secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn.

A vacina começou a ser testada na terça-feira passada em voluntários no Hospital das Clínicas. E a partir desta quinta e sexta-feira, dias 30 e 31, terão início os testes em outros quatro centros: Instituto Emílio Ribas, Hospital das Clínicas da Faculdade de Ribeirão Preto da USP, Universidade Municipal de São Caetano do Sul e Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fármacos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O Emílio Ribas e o Centro da UFMG contarão com 825 participantes cada. Já a Universidade Municipal de São Caetano do Sul terá 625 voluntários, além de outros 500 no HC de Ribeirão Preto. 

Ao todo, nove mil voluntários, somente profissionais de saúde, vão receber a vacina em 11 centros de pesquisa. Na capital paulista, participa do estudo também o Hospital Albert Einstein. Ainda no Estado de São Paulo, também foram selecionados: Hospital das Clínicas da Unicamp (Campinas) e Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. O estudo também será conduzido em centros em Belo Horizonte (UFMG), Rio de Janeiro (Fiocruz), Brasília (UnB), Curitiba (UFPR) e Porto Alegre (PUC-SP). 

Para participar do estudo, o candidato não pode ter contraído o novo coronavírus, nem ter participado de outros estudos. Mulheres não podem estar grávidas ou estarem planejando uma gravidez nos próximos três meses. Outra restrição é não ter doenças que precisem de medicações que alterem a resposta imune. Entre os recrutados, metade recebe doses do imunizante num intervalo de 14 dias e outra metade recebe duas doses de placebo.