Avaliação

Maia diz que cronograma do governo para voucher de R$ 600 não parece emergencial

Presidente da Câmara fez as declarações antes do início de uma sessão virtual na qual os deputados apreciarão projetos de enfrentamento ao coronavírus


FolhaPress
FolhaPress
Do FolhaPress | Em: 31/03/2020 às 19:05:36

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (31) que o calendário estabelecido pelo governo para o pagamento do auxílio de R$ 600 não parece o de um apoio emergencial.

Maia fez as declarações antes do início de uma sessão virtual na qual os deputados apreciarão projetos de enfrentamento ao coronavírus, como a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que segrega o orçamento e o texto que adia a declaração do Imposto de Renda.

Segundo o Ministério da Cidadania, o auxílio emergencial deve ser liberado primeiro para quem recebe o Bolsa Família. Esse grupo já está na base de dados do governo, o que agiliza o repasse.

A previsão é que o calendário de pagamentos do Bolsa Família comece em 16 de abril.

“Se é apoio emergencial, 16 de abril não parece tão emergencial para os brasileiros que estão precisando dos recursos”, criticou.

Para o deputado, o governo tem condições de fazer um mutirão e unificar estruturas, mesmo de forma remota, para organizar o pagamento do auxílio antes dessa data.

“A palavra emergencial não me parece, para uma crise do tamanho que a gente está vivendo, que aguardar até 16 de abril é a melhor solução”.

Maia também falou sobre a demora para a sanção presidencial ao projeto do auxílio emergencial. Segundo o presidente da Câmara, o Planalto deve estar avaliando o lastro técnico e o impacto fiscal para sancionar o texto.

“Mas eu não acho que uma matéria como essa, que todos sabem que é urgente, que ela possa esperar muito tempo”, afirmou.

“Acho que o governo certamente já deve estar avaliando a hipótese de sancionar ainda hoje [terça]. Acho que isso é o que todos estão esperando, principalmente os que hoje já não têm mais renda, já perderam as suas condições de trabalho pela crise do coronavírus”.

As regras aprovadas para o voucher permitem que o beneficiário troque temporariamente o Bolsa Família pelo valor de R$ 600 destinado a trabalhadores informais, desempregado e microempreendedores individuais. O benefício médio do Bolsa Família gira em torno de R$ 200. A substituição vale apenas enquanto durar o auxílio emergencial.

O governo ainda finaliza a operação para os repasses temporários. O Cadastro Único também reúne dados de beneficiários de outros programas sociais e será usado para facilitar a transferência do valor.

Depois dessa fase, a expectativa é que microempreendedores e trabalhadores autônomos que contribuem para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) sejam atendidos. Por serem cadastrados na Previdência Social, podem ser identificados.

O maior desafio é listar trabalhadores informais e desempregos fora dessas bases de dados do governo.

“Os informais estão à margem de qualquer cruzamento de dados, mas para eles haverá uma solução tecnológica, ainda em desenvolvimento”, disse o ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania), nesta segunda-feira (30).

Onyx reforça o pedido para que as pessoas não procurem bancos, lotéricas e CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) até que o formato da solicitação do voucher seja definido.