FolhaPress

Mãe é esfaqueada pelo filho após cerimônia de batismo no interior de SP

Caso aconteceu em São José do Rio Preto, interior de São Paulo

Mãe é esfaqueada pelo filho após cerimônia de batismo no interior de SP
Mãe é esfaqueada pelo filho após cerimônia de batismo no interior de SP (Foto: Reprodução/ UOL)

Uma mulher de 52 anos foi esfaqueada pelo próprio filho no domingo (21), em um bairro de São José do Rio Preto (SP), cidade a 440 km de São Paulo. O caso aconteceu depois do batizado da neta dela, filha do agressor.

Segundo informações do Boletim de Ocorrência, a vítima contou que o filho mora com ela e outros familiares. Pouco depois do batizado da menina, o pai da criança teria tentado levá-la para se encontrar com a mãe dela, mas foi impedido pela avó, que é detentora da guarda provisória.

Com a negativa, o rapaz pegou uma faca e foi em direção à mãe, ferindo-a com um golpe na mão. O padrasto do agressor entrou em briga corporal e deu uma cabeçada no jovem, conseguindo sair ileso da confusão.

A polícia foi chamada e orientou o rapaz a deixar a residência, mas o Boletim de Ocorrência também dá conta de que, pouco depois de os policiais terem deixado a residência, o filho pulou o muro e voltou a fazer ameaças contra a mãe e o padrasto, que voltaram a entrar em contato com o 190.

Novamente as autoridades policiais retiraram o agressor — que não teve a identidade divulgada — e orientaram que ele não retornasse mais. Logo depois, marido e mulher foram até a delegacia para registrar o Boletim de Ocorrências e apresentou a faca utilizada pelo filho para feri-la.

A senhora foi encaminhada para a Delegacia de Defesa da Mulher, que já entrou com providência para garantir uma medida protetiva de urgência, impedindo assim o rapaz de se aproximar da casa. Além disso, o Conselho Tutelar foi acionado e a ocorrência deverá prejudicar ainda mais o jovem na disputa pela guarda dos filhos.

O UOL apurou que a mulher está com a guarda provisória depois de desentendimento entre os pais da criança (que têm mais um filho, também sob guarda da avó) e que nenhum deles demonstrou condição para ser responsável pelos menores.

A avó das crianças pretende manter o processo para garantir a guarda definitiva do neto, informaram os conselheiros tutelares.