Cidades

Mãe delata à policia filho que matou e filmou vítima em Aparecida de Goiânia

Crime aconteceu no último sábado e o autor foi preso no domingo. Após o delito, ele gravou áudios dizendo que iria dormir "como se nada tivesse acontecido"


Fabricio Moretti

Do Mais Goiás | Em: 27/11/2018 às 07:20:54


Luciana esfaqueou a vítima na calçada e filmou o crime. (Foto: Reprodução/Wahtsapp)
Luciana esfaqueou a vítima na calçada e filmou o crime. (Foto: Reprodução/Wahtsapp)

Na manhã do último domingo (25), Luciano Lucas da Silva Bezerra, 20 anos, foi preso na rodoviária de Goiânia, ao tentar fugir para Alagoas. Ele é acusado de esfaquear Josenilton Pinheiro de Castro, 53 anos, no último sábado (24), no Setor Papillon Park, Aparecida de Goiânia. A vítima estava sentada em uma calçada, e Luciano filmou o momento do crime. Josenilton morreu no local.

Luciano foi detido por uma guarnição da Polícia Militar, e na delegacia os policiais encontraram em seu celular o vídeo do crime, e áudios do acusado para um amigo.

“Veio pagar de doido, meu velho, tá ligado? Paga de doido para cima de criminoso. Alagoano só mata de faca, tá ligado”, disse o criminoso em um dos áudios. Em outro, Luciano afirma “Agora vou dormir que nem um bebezinho, como se nada tivesse acontecido”. Confira os áudios.

Delação

De acordo com o delegado plantonista Vicente Stabile, no sábado, Luciano foi até a casa da mãe e contou ter assassinado um homem em legítima defesa, após um assalto. “Disse que iria viajar para Alagoas, seu estado de origem, e pediu ajuda da mãe”. A mãe do autor ligou à polícia avisando do ocorrido, confessando que o filho havia cometido o crime e ido para a Rodoviária com o intuito de fugir.

Sobre a motivação do assassinato, Luciano se contradiz nos depoimentos. “Primeiro ele disse ter sido ameaçado pela vítima. Depois alegou ter tido problemas com Josenilton e agiu em legítima defesa”, informou o delegado, que disse ainda que o autor do assassinato não possui advogado.

O delegado responsável pelo caso, Rogério Bicalho, alegou que o criminoso “só falou no interrogatório que a vítima o xingou e eles discutiram, mas não deu muitos detalhes”. Luciano foi atuado por homicídio duplamente qualificado, motivo torpe e por não dar chance de defesa à vítima, Josenilton.