Política

Lula diz que Dilma pode errar e que é preciso ajudá-la a consertar erros

Petista disse que Dilma pode errar e que crise é culpa dos EUA e Europa.





//

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu nesta terça-feira (11/08) que a presidente Dilma Rousseff pode ter cometido erros, mas disse que é preciso ajudá-la a consertá-los. Em discurso a uma plateia de trabalhadoras rurais, em Brasília, ele também afirmou que o país vive um momento de dificuldade, mas que isso não se deve à presidente.

“É lógico que ela [Dilma] pode errar, como eu errei e como qualquer um erra, e vocês erram enquanto mãe. Nem sempre a gente faz as coisas que é aceito 100% pelos filhos. Nós sabemos disso.  Mas quando ela errar, ela é nossa. E nós temos que ajudá-la a consertar para a gente poder fazer esse país ficar muito melhor”, discursou o petista.

Lula participou na noite desta terça-feira (11/08) da abertura da 5ª Marcha das Margaridas, evento que reúne trabalhadoras rurais e que neste ano tem como tema Desenvolvimento Sustentável com Democracia, Justiça, Autonomia, Igualdade e Liberdade.

“Nós não vivemos o momento mais extraordinário do nosso país. Nós vivemos algumas dificuldades, que não é uma dificuldade da presidenta Dilma. Não é uma dificuldade de nenhuma de vocês individualmente. É daquelas dificuldades que a gente não sabe quem foi que criou”, afirmou. Lula lembrou que em 2005, ano em que foi descoberto o esquema do mensalão, ele passou por pressão por impeachment. “Eu lembro que em 2005, quando os mesmos que estão atacando a Dilma, diziam que iam fazer impeachment do Lula, eu disse para eles: ‘Se vocês quiserem me cortar, vocês vão ter que ir para a rua disputar o povo brasileiro’”.

Crise
O ex-presidente também criticou os adversários políticos, dizendo que a situação do país era pior antes dos governos petistas, e fez referência à crise financeira internacional que teve início em 2008.

“A única coisa que nós sabemos é que não foi o povo trabalhador que criou a crise econômica mundial. Foi os banqueiros internacionais. A crise não nasceu em Quixeramobim, a crise não nasceu em Garanhuns ou muito menos em Maceió. A crise não nasceu em Brasília. A crise nasceu no coração dos Estados Unidos, a crise nasceu no coração da Europa”, completou em seguida. (Com o G1)

Tópicos