ELEIÇÃO | VALPARAÍSO

Lêda lidera disputa em Valparaíso com 41,8%, diz pesquisa Data Verus

Prefeito e candidato à reeleição, Fábio Mossoró aparece em segundo, com 27,3%; ele lidera na rejeição, 33,1%


Alexandre Bittencourt
Do Mais Goiás | Em: 13/11/2020 às 14:42:31

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A deputada estadual Lêda Borges (PSDB) lidera a disputa pela prefeitura de Valparaíso, município do Entorno do Distrito Federal, com 41,8% das intenções de voto, de acordo com pesquisa realizada pelo instituto Data Verus, que ouviu 598 eleitores entre os dias 6 e 8 de novembro deste ano. O segundo colocado é o atual prefeito e candidato à reeleição Pábio Mossoró (MDB), com 27,3%.

Os números dizem respeito à sondagem estimulada, que é quando o entrevistado é provocado a responder com o auxílio de uma cartela com o nome dos candidatos. No pelotão de trás estão Professor Silvano, com 8%; Valmir Ferreira (4,7%), Sirlei Azevedo (3,8%), Amaury Santana (1,7%), Elvis Santos (1,7%) e Marcelo Sorriso (1,5%). Votos brancos e nulos somam 7,4%. Não souberam ou não quiseram responder 2,2%.

Na pesquisa espontânea, Lêda está à frente com 35,3% das intenções de voto e Pábio registra 23,7%. Os demais candidatos anotaram os seguintes percentuais: Silvano (4,7%), Valmir (2,2%), Sirley (1,8%), Afrânio (0,8%), Amaury (0,7%) e Fábio (0,7%). Neste cenário, votos brancos e nulos representam 10,9%. Não sabem ou preferem não opinar 19,2%.

O Data Verus também mediu a rejeição dos candidatos a prefeito de Valparaíso. O que tem o maior índice é o atual prefeito, do MDB: 33,1%. O segundo mais rejeitado é Elvis, com 26,6%; e a terceira é Lêda, com 20,7%. Não admitem a possibilidade de votar em Silvano 12,4%; em Sirley, 7,5%; em Marcelo, 5,4%; em Amaury, 2,8%; e em Valmir, 2,2%. Disseram que não rejeitam nenhum dos candidatos 29,8%. O índice de eleitores que não sabem ou não quiseram responder esta pergunta é de 1%.

Conforme determina a lei, o instituto Data Verus registrou o levantamento no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob protocolo GO-08983/2020. A margem de erro é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos. O intervalo de confiança é de 95%. O instituto realizou a checagem em 20% dos questionários aplicados, escolhidos de forma aleatória.