Do Mais Goiás

Lázaro pode ter voltado à propriedade invadida de manhã em busca de alimentos

Proprietário da casa deu falta de pacotes de biscoitos e outros alimentos

Lázaro pode ter voltado à propriedade invadida de manhã em busca de alimentos
Lázaro volta à propriedade invadida de manhã em busca de alimentos (Foto: Enviada ao Mais Goiás)

Com informações de Paula Coutinho, direto de Edilândia

O suspeito de matar uma família em Ceilândia (DF), Lázaro Barbosa, pode ter retornado à uma propriedade rural em que esteve nesta terça-feira (15) pela manhã. Segundo os proprietários da Fazenda Ribeirão, o homem de 33 anos passou no local no começo da noite, após trocar tiros com a polícia na fazenda Grota D’água e fugir pelo Rio Lázaro (Rio das Areias), na região de Edilândia, povoado próximo a Cocalzinho de Goiás.

O local ficou vazio durante o período da tarde e o proprietário acredita que Lázaro tenha passado pelo lugar por volta das 18h30. Segundo ele, a casa estava revirada. Faltava pacotes de biscoito e outros alimentos.

(Foto: enviada por leitor)

(Foto: Enviada por leitor)

Relembre

O caseiro Rosinaldo Morais, funcionário da chácara invadida hoje cedo por Lázaro Barbosa, em que câmeras frigoríficas registaram imagens, falou com a imprensa na tarde desta terça-feira (15/06), no QG improvisado montado pela força-tarefa policial no posto de Gasolina Edilândia. Em entrevista ao Mais Goiás, ele afirmou que o suspeito de matar quatro pessoas e ferir outras três pediu comida.

Ele relatou que chegou de manhã na propriedade junto com o patrão e que encontrou com Lázaro dentro do curral. “Fui para o curral para arrumar as coisas e tirar o leite quando dei de frente com ele. Ele foi para o meu lado eu falei: ‘Calma aí. Não precisa se alterar que ninguém vai fazer nada com você’”.

Diante disso, Lázaro disse a ele que não machucaria ninguém e que só queria comida, porque estava a três dias sem comer. O caseiro pediu para ele esperar, mas Lázaro fugiu. “Ele não esperou nem eu fechar as vacas e foi embora”, disse Rosinaldo.

Sete dias de caçada

Quarta-feira (9) – A onda de crimes tem início quando o suspeito invade uma casa em Ceilândia. Lá, ele teria matado o empresário Cláudio Vidal, 48; dois filhos dele, Gustavo Marques, 21; e Carlos Eduardo Vidal, 15; e sequestrado a mãe deles, Cleonice Marques, 43.

Sexta-feira (11) – Polícia Militar do DF inicia buscas pelo suspeito.

Sábado (12), à tarde – polícia encontra o corpo de Cleonice Marques. Cadáver estava próximo de um córrego na região de Sol Nascente (DF). Mulher estava nua, de bruços e apresentava cortes na região das nádegas.

Sábado (12), à noite – Três pessoas são baleadas em uma casa na zona rural de Cocalzinho de Goiás. Suspeito teria forçado vítimas a fazer comida para ele enquanto as obrigava a fazer consumo de drogas. No local, Lázaro supostamente rouba duas armas de fogo e munições.

Domingo (13), à tarde – Chácara é invadida em Cocalzinho de Goiás. Proprietário encontra imóvel revirado e dá falta do carro, um Corsa vermelho.

Domingo (13), noite – veículo é abandonado na BR-070, após avistar bloqueio policial próximo à cidade de Edilândia. Suspeito foge à pé, supostamenete para região de mata. Investigadores ainda não confirmaram se responsável por abandonar carro é mesmo Lázaro.

Polícias militar e rodoviária federal destacam 120 policiais para o cerco, que tem auxílio de 3 helicópteros

Segunda-feira (14), manhã – Mais policiais se juntam à operação de captura. Agora, são 210 agentes da PM-GO, PM-DF e Polícia Federal (PF) que atuam para detectar e prender Lázaro. Secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodnei Miranda acompanha os trabalhos in loco.

Segunda-feira (14), noite – Lázaro pede comida em uma chácara em Edilândia, mas diante da negativa do caseiro atira com uma pistola contra a propriedade. O caseiro, que também estava armado com uma espingarda, revida, fazendo com que o procurado fuja do local correndo a pé.

– Terça-feira (15), tarde – Moradores de uma fazenda em Cocalzinho de Goiás afirma ter avistado Lázaro passando pela propriedade. Desesperados, eles orientam os policiais sobre o caminho que ele seguiu.

– Terça-feira (15), tarde – Três pessoas – uma mulher e duas crianças – foram mantidas reféns de Lázaro Barbosa em uma propriedade rural que fica a 5 km de distância do povoado de Edilândia. Foi apurado que os reféns já teriam sido libertados.

O procurado

A série de crimes atribuída a Lázaro Barbosa, 33, teve início em entre 8 e 9 de abril de 2020, quando ele teria invadido uma propriedade rural de Santo Antônio do Descoberto. Quatro idosos estavam no local. Um deles foi atingido com golpe de machado na cabeça, mas sobreviveu, embora apresente sequelas, segundo a Polícia Civil goiana. Os outros idosos também foram agredidos, com menos gravidade. Lá ele roubou bens e celulares que depois foram recuperados pelos investigadores. À época ele foi indiciado por crime de roubo mediante restrição da liberdade das vítimas, emprego de arma branca e por tentativa de latrocínio.

Leia mais sobre o caso Lázaro:

Policiais procuram Lázaro em milharal próximo de Edilândia

Por medo de suspeito de chacina, comércios atendem com grade nas portas em Edilândia