Latrocínio

Ladrão que matou delegado em Goiânia é preso no Mato Grosso

Suspeita é que Rafael Almeida estava se preparando para mudar com a esposa para a Bolívia




Quase três meses após sair pela porta da frente da Casa de Prisão Provisória em circunstâncias ainda obscuras, Rafael Ferreira de Almeida, de 22 anos, assassino confesso do delegado aposentado da Polícia Civil de Goiás Célio Tristão, de 73 anos, foi recapturado na madrugada desta segunda-feira (26) na cidade de Pontes e Lacerda, no Mato Grosso. A suspeita da polícia é que o assaltante, que mudou-se para aquela cidade há 40 dias com a esposa, estaria se preparando para morar na Bolívia.

Foi em 29 de dezembro do ano passado que o delegado Célio tristão acabou assassinado por dois criminosos que lhe tomaram um veículo no Residencial Guarema, em Goiânia. No mesmo dia do crime o carro foi recuperado em um lavajato onde um menor foi apreendido e um maior de idade acabou preso por suspeita de terem participado do latrocínio.

Em 30 de janeiro, militares do Batalhão de Choque prenderam Rafael Almeida, que flagrado com um revólver confessou ser o autor do disparo que matou o delegado. Menos de seis meses depois, em 13 de julho, Rafael conseguiu um Alvará referente a um processo por roubo ocorrido em Trindade, e então foi liberado da cadeia. Até hoje nem a polícia nem o Poder Judiciário sabem se houve má-fé ou erro de interpretação na soltura do criminoso, que além do latrocínio do delegado respondia por outros quatro crimes, entre eles homicídio, roubo e receptação.

De acordo com o delegado Gilson Silveira, titular da Delegacia de Pontes e Lacerda, Rafael vinha sendo monitorado desde a última sexta-feira (23), e foi preso hoje de madrugada no momento em que retornava da Bolívia. O vaivém dele na Bolívia, de acordo com o delegado, indica que ele estaria tentando alugar um imóvel e conseguir um emprego a fim de se estabelecer definitivamente naquele País. Desarmado, Rafael não esboçou reação.

Informada no final da manhã sobre a prisão do suspeito, a Diretoria da Polícia Civil de Goiás afirmou que providências serão tomadas a fim de transferi-lo para a Capital. “É importante lembrar que esta transferência depende da troca de informações entre o Poder Judiciário daqui e do Mato Grosso, de qualquer forma nós estamos prontos para ir lá buscá-lo e então colocá-lo mais uma vez na cadeia para que ele possa cumprir pelo crime que cometeu”, destacou o Delegado Gylson Mariano, Assessor de Comunicação da Polícia Civil de Goiás.