Do Mais Goiás

Laboratórios deixam de fabricar medicamentos para hipertensão e outras doenças em 2019

Consumidor pode saber com antecedência quais medicamentos sairão de linha

A oferta de um dos medicamentos mais conhecidos para tratamento de pressão alta e insuficiência cardíaca, o Captopril, pode diminuir sensivelmente nos próximos meses, nas farmácias e drogarias também de Goiás. É que um dos laboratórios fabricantes do produto informou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que vai deixar temporariamente de fabricar o medicamento neste ano. A empresa diz que a decisão foi tomada por motivação comercial.

Em casos como esses, qualquer consumidor, para se precaver, pode saber com antecedência os medicamentos que um determinado laboratório deixará de fabricar ou importar por tempo determinado ou em definitivo. Quem explica é o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado de Goiás (Sincofarma-GO ), João Aguiar Neto. “O site da Anvisa tem uma área, já na página inicial, intitulada Desabastecimento de medicamentos. Lá, o consumidor tem acesso a uma lista atualizada dos medicamentos cuja fabricação será descontinuada ou reativada pelos fabricantes”, indica Aguiar.

Os laboratórios são obrigados por lei a comunicar antecipadamente à Anvisa a decisão de interromper ou encerrar a fabricação de medicamentos. Além do interesse comercial, obstáculos na logística, demandas no processo de fabricação – como a necessidade de novas máquinas e alteração de embalagem – e a própria dificuldade de se encontrar no mercado um princípio ativo estão entre os motivos mais comuns alegados pelas empresas para deixar de oferecer um desses produtos.

Quem se trata de asma e bronquite, duas das dez doenças mais mortais no Brasil, segundo o Ministério da Saúde, deve ficar de olho na lista de desabastecimento da Anvisa. Consta na relação que o medicamento Aminofilina, indicado no combate de ambos os males, terá sua fabricação encerrada definitivamente, também em 2019, por um dos laboratórios autorizados a fabricar o produto. Outros medicamentos bastante populares no mercado, a Dipirona e o Paracetamol também terão a fabricação interrompida temporariamente neste ano por um dos laboratórios.

*Com informações da assessoria de imprensa