Política

Justiça bloqueia bens de vereador que renunciou ao cargo em Jataí

Segundo ação por improbidade administrativa, o vereador mantinha um esquema em que cobrava, desde 2012, parte do salário de funcionários da Câmara sob ameaça de exoneração dos servidores


Jessica Santos
Do Mais Goiás | Em: 12/04/2019 às 10:44:43

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)
(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Seis dias após renúncia ao cargo de vereador em Jataí, João Rosa Leal (PSDB) teve as contas bancárias e aplicações financeiras bloqueadas até o valor de R$997.500,00. A decisão proferida pela comarca da cidade foi tomada em razão do enriquecimento ilícito do político ao manter um esquema de recebimento de parte das remunerações de servidores da Câmara Municipal.

O tucano é réu em ação pelo crime de improbidade administrativa. Segundo o processo, o vereador mantinha um esquema em que cobrava, desde 2012, parte do salário de funcionários da Câmara sob ameaça de exoneração. No último dia 4 de abril, João Rosa protocolou seu pedido de renúncia do mandato depois que o Ministério Público de Goiás (MP-GO) pediu seu afastamento. Na carta de renúncia, ele alega “motivos pessoais”.

De acordo com depoimentos de uma ex-servidora e três atuais funcionários do gabinete do vereador às investigações, as cobranças eram antigas e ocorreram até março de 2019. Estima-se que ele tenha recebido o valor de R$ 332.500,00 com o esquema. Aos funcionários, o político afirmava que o dinheiro seria utilizado para ajudar eleitores nas realizações de tratamentos de saúde.

Com a saída do tucano, o primeiro suplente também do PSDB, pastor Luiz Carlos Cabral dos Anjos, assume o cargo de vereador. O Mais Goiás tenta contato com a defesa de João Rosa. À reportagem, a Câmara Municipal afirmou que ainda não tem um posicionamento oficial. Já a Prefeitura disse que não se posiciona sobre qualquer ato do Legislativo.