Brasil

RJ: Jovens abusados em estação de trem reconhecem PMs em fotos

O reconhecimento foi feito por meio de um álbum de fotografias da Corregedoria da Polícia Militar. Vítimas foram forçadas a fazer sexo oral entre si


Da Redação

Do Mais Goiás | Em: 11/07/2019 às 05:49:37


Os dois informaram que comprariam drogas na Favela da Mangueir
Os dois informaram que comprariam drogas na Favela da Mangueir

Os dois jovens que denunciaram que foram agredidos e vítimas de abuso sexual na estação de trem do Maracanã, no Rio de Janeiro, no último domingo, reconheceram nesta quarta-feira dois PMs como autores da agressão. O reconhecimento foi feito por meio de um álbum de fotografias da Corregedoria da Polícia Militar.

A Corregedoria da PM agora apura as informações passadas pelas vítimas, um rapaz de 17 anos e outro de 18. Se for comprovado que os policiais realmente tiveram envolvimento nas agressões e abusos, o próximo passo será identificar se eles estavam ou não de serviço. Se a dupla estava a trabalho, será configurado crime militar e o caso será investigado pelo próprio órgão de investigação da PM. Mas se no momento do crime eles estavam de folga, a investigação ficará com a Polícia Civil.

O delegado Roberto Ramos, titular da 18ª DP (Praça da Bandeira), informou ontem que abriu inquérito que poderá indiciar os quatro envolvidos nas agressões aos dois jovens na estação de trem da Zona Norte. Eles poderão responder por estupro, tortura e agressão. “Não há vontade dos dois em realizar o ato. A vontade é do agente que filma. Isso configura o crime de estupro”, informou.

O caso veio à tona na segunda-feira, quando um vídeo das agressões começou a rodar nas redes sociais. E as imagens são fortes. Nelas, homens obrigam que um dos jovens pratique sexo oral no outro. Eles encerram a gravação perguntando se eles voltariam a usar maconha.

Eles contaram que no momento da abordagem, dois homens, sem fardas, se identificaram como policiais militares e os tiraram do vagão. Em seguida, os dois foram levados para um local reservado com ajuda de seguranças da SuperVia, quando sofreram as agressões.

Em nota, a Polícia Militar informou que apura o caso e “a 3ª DPJM, que investiga o fato, já está tomando as devidas providências para solucionar o caso”. A Supervia também informou, em nota, que dois seguranças da concessionária foram demitidos nesta quarta-feira após trabalho de sindicância interna da empresa. (Com informações do jornal O Dia)