ABUSO

Jornalista de afiliada da Globo é demitida após denunciar assédio de chefe

"Teve uma apresentadora em Tocantins que tentou se matar pelo assédio que sofreu", afirma a jornalista Ellen Ferreira


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 24/07/2020 às 11:53:11

"Teve uma apresentadora em Tocantins que tentou se matar pelo assédio que sofreu", afirma a jornalista Ellen Ferreira

Após ficar 20 dias afastada por ter contraído Covid-19, a jornalista Ellen Ferreira esperava retornar ao trabalho na Rede Amazônica, afiliada da TV Globo em Roraima. Contudo, na última quinta-feira (23), ela foi recepcionada no canal com o aviso de sua demissão. Ellen não se convenceu com a justificativa da emissora de reformulação da equipe e acredita estar sendo perseguida após denunciar o ex-chefe de jornalismo, Edison Castro, de assédio moral e sexual.

Segundo publicação do UOL, a Rede Amazônica prometeu enviar um posicionamento sobre o caso, mas ainda não atendeu aos pedidos da reportagem. O ex-chefe de jornalismo, Edison Castro, não foi localizado. A jornalista afirma ter conversado com funcionários de afiliadas da Globo em Goiás, em Tocantins e no Maranhão, e o comportamento de Edison não era novidade para quem trabalhou com ele.

Ellen Ferreira diz que precisou se tratar contra ansiedade e depressão pela convivência com o ex-chefe, além de ter procurado o próprio Ali Kamel, diretor geral de jornalismo da TV Globo, para denunciar o caso. Segundo ela, nem assim conseguiu uma resolução. De acordo com o UOL, A TV Globo confirmou que Ali Kamel recebeu as mensagens da jornalista e afirmou que as denúncias foram enviadas ao setor de afiliadas.

O que aconteceu foi perseguição. Eu havia levado o caso para o Sindicato dos Jornalistas do estado e para o Ministério Público do Trabalho. Situações vexatórias, de racismo, homofobia, gordofobia. Ele é um psicopata. Teve uma apresentadora em Tocantins que tentou se matar pelo assédio que sofreu. Ele obrigava uma outra funcionária a tomar remédios tarja preta, porque ela era gorda. Tinha gente que queria bater nele na rua!

Ellen Ferreira conta que somente no dia 29 de junho, graças às denúncias feitas no Ministério Público do Trabalho e no Sindicato dos Jornalistas, Edison foi desligado do cargo. “A realidade é que estou desempregada. Eu sou renda dos meus pais e dos meus irmãos. Como vai ser daqui para a frente? Não quero nunca mais olhar para ele. Quando falo dele, ainda tremo. Ele acabou com a minha carreira”, diz a jornalista.

Ellen Ferreira chegou a apresentar o “Jornal Nacional” em outubro de 2019, durante um rodízio de jornalistas feito em comemoração dos 50 anos do telejornal.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Que saudade dessa experiência linda. #jn #jornalismo #sonhos

Uma publicação compartilhada por Ellen Ferreira 🤓 (@ellenferreira___) em

Bibi Perigosa da vida real não quer reprise de A Força do Querer e entra na Justiça contra Globo

*Com informações do UOL