Artur Dias
Do Mais Goiás

Jogador de 11 anos que teria sofrido racismo em Caldas Novas recebe convite para fazer teste no Santos

Além do Santos, Vasco e Fluminense também fizeram convites. A repercussão do vídeo foi grande e gerou manifestações do jogador Neymar e Gabriel Jesus

Um vídeo mostra o momento em que uma criança de 11 anos chora ao relatar que sofreu racismo durante uma partida de futebol, em Caldas Novas. (Foto: reprodução)

Luiz Eduardo Bertoldo Santiago, de 11 anos, jogador que denunciou ser vítima de racismo durante uma partida de Futebol em Caldas Novas, recebeu um convite para fazer um teste no Santos. O clube, inclusive, enviou uma camiseta para a criança.

Além do Santos, Vasco e Fluminense também fizeram convites. A repercussão do vídeo foi grande e gerou manifestações do jogador Neymar e Gabriel Jesus. Infelizmente a gente anda passando por esse tipo de coisa que não cabem mais. Quero te desejar força e muita luz”, disse Neymar.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Neymar Jr Site (@neymarjrsiteoficial)

Relembre o caso

O caso ocorreu na tarde de quarta-feira (16), no torneio infantil Caldas Cup. Ofensas teriam sido cometidas pelo técnico do time adversário da vítima e foram registradas na Polícia Civil.

A criança jogava a categoria sub-11 pelo Uberlândia Academy em uma partida contra a equipe Set Esportes, quando foi alvo de racismo. No vídeo, o menino conta que o técnico do clube adversário proferiu palavras de cunho racista ao referir-se ao atleta. “Ele falava: fecha o preto. Fecha o preto aí ó. Eu guardei tudo para falar no final”, contou o garoto aos prantos.

O treinador da equipe adversária, Lásaro Caiana, se pronunciou nas redes sociais. Ele foi apontado na legenda do vídeo divulgado como o autor das ofensas. Ao lado da família, Lásaro negou que tenha ofendido o jogador, se posicionou contra o racismo e disse que está do lado do atleta. “Estou sendo acusado de ter uma atitude de injúria racial, coisa que não aconteceu”, disse o treinador. “Nossa equipe tem atletas negros, Minha família também é negra, nossa comissão técnica, quase que 90%, também é negra. Essa situação é impensável”.