Da Redação
Do Mais Goiás

Ismael Alexandrino pede cautela em debate sobre volta de aulas presenciais

Secretário de Saúde diz que retorno das aulas, quando ocorrer, deve ser feito aos poucos

Goiás deve receber 120 pacientes de Manaus, diz secretário
Goiás deve receber 120 pacientes de Manaus, diz secretário

Em entrevista ao programa O Mundo em sua Casa nesta segunda-feira, 28, o secretário de Estado da Saúde (SES), Ismael Alexandrino, afirmou que a questão do retorno às aulas presenciais nas escolas goianas deve ser avaliada “com extrema cautela”. Ponderou também que a pasta não tem deixado de dialogar, nem internamente e nem no Centro de Operações de Emergência em Saúde (COE), sobre o tema. Isso porque se trata de uma população específica.

O comentário do secretário se refere ao posicionamento da Sociedade Goiana de Pediatria (SGP), por meio da vice-presidente da entidade, Ana Márcia Guimarães, de que o momento é seguro para a volta às aulas. Na conversa com os apresentadores das rádios Brasil Central AM e RBC FM, o titular da SES admitiu que as crianças não têm tanta vulnerabilidade, tanto em relação ao contágio quanto ao desenvolvimento da forma grave da Covid-19. No entanto, a preocupação é epidemiológica.

“Ou seja, temos que considerar a população de crianças dentro da população como um todo”, argumentou. Ismael acrescentou que, tanto o pessoal da epidemiologia quanto da infectologia considera (o tema) com grande preocupação, porque as crianças são consideradas vetores da Covid-19, transmitem o vírus, carregam para dentro de casa e para outras crianças. “É nesse contexto que estamos ponderando”, afirmou.

Discussão

O secretário de Estado de Saúde admitiu que não está descartada essa discussão, apontada por ele como “bastante calorosa, profunda”. E declarou: “Nós consideramos a opinião da SGP, queremos ouvir sugestões em relação a como seria essa volta”. Observou que, certamente, não seria uma volta (às aulas presenciais) como um todo, mas seria necessário decidir quais os grupos de crianças, quais idades, a metodologia.

“Enfim, a pandemia é algo que nós temos, cada dia, discutido e aprendido com ela; e para isso nós somos sensíveis a todos os grupos, às opiniões de quem quer de fato contribuir”, disse. Ismael voltou a salientar que é preciso promover o retorno das aulas com “extrema cautela”.