Violência

Irmãs e esposa se unem para matar caseiro

Além das três, dois homens que foram contratados por R$ 1.500 para matar Osvaldo Pereira de Sousa também estão presos





//

Pequenas desavenças familiares, segundo a polícia, foi o que motivou no último final de semana um crime banal em Aparecida de Goiânia. O caseiro Osvaldo Pereira de Sousa, de 63 anos foi assassinado com golpes de barras de ferro desferidas por Gilberto Barbosa dos Santos, de 54 anos, e Warlliy Naves de Oliveira, de 30 anos, que tinham sido contratados por duas irmãs e pela própria esposa da vítima. Todos estão presos.

De acordo com o que apurou o Delegado Rogério Bicalho, adjunto do Grupo de Investigações de Homicídios (DIH) de Aparecida de Goiânia, Maria Pereira de Jesus, de 65 anos, e Maria das Graças Moraes Silva, de 59 anos, que são irmãs de Osvaldo, convenceram a esposa dele Angelita Pereira Rosa, de 35 anos, a contratar alguém para matá-lo.

A decisão, conforme relataram as três para a imprensa, foi tomada porque além de ser agressivo, e ameaçá-las a todo instante, o caseiro estava tentando molestar uma de suas filhas que tem cinco anos de idade.

Com a conivência da esposa, Maria Pereira ofereceu R$ 1,5 mil para Gilberto Barbosa, que é seu inquilino, para que além de matar, ele também sumisse com o corpo do caseiro. Na madrugada do último sábado (03), Gilberto e Warlliy foram até a chácara da família armados com barras de ferro. Assim que ouviu o barulho dos dois fora da casa, Osvaldo saiu com um facão e lutou com a dupla, acertando um pequeno golpe no braço direito de Warlliy. Mesmo assim ele acabou morto com vários golpes na cabeça e costas. Logo após o assassinato, os dois fugiram no carro de Gilberto, mas ao contrário do combinado abandonaram o corpo na entrada da chácara.

Quando a polícia chegou na local, as irmãs e a esposa da vítima contaram ter sido o caseiro vítima de um assalto, mas após contradições Angelita decidiu por confessar toda a trama. “A gente observa uma desestrutura familiar e uma ignorância muito grande nesse caso. Pelo que apuramos, as irmãs estavam cansadas de serem ameaçadas pelo Osvaldo, que trabalhava como caseiro para uma delas, e então convenceram a Angelita que ela poderia arrumar um marido bem melhor que ele”, relatou o delegado, que disse não acreditar na acusação de que Osvaldo teria tentado molestar uma de suas filhas.

Ao confessar o crime, Gilberto e Warlliy relataram ter recebido apenas R$ 100,00 para o combustível, sendo que o restante seria pago posteriormente. Dos cinco presos, apenas Warlliy tem passagem por furto.