INCIDENTE

Irã confirma incêndio em instalação de enriquecimento de urânio

Autoridades dizem que incêndio ocorreu em galpões que estavam sendo construídos na unidade de Natanz, alvo de atos de sabotagem no passado


Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 02/07/2020 às 21:05:23

 A Organização de Energia Atômica do Irã confirmou que um incêndio provocou estragos em uma instalação de enriquecimento de urânio. (Foto: Reuters)
 A Organização de Energia Atômica do Irã confirmou que um incêndio provocou estragos em uma instalação de enriquecimento de urânio. (Foto: Reuters)

A Organização de Energia Atômica do Irã confirmou nesta quinta-feira que um incêndio provocou estragos em galpões que estavam sendo construídos na unidade nuclear de Natanz, apontada como um dos centros de enriquecimento de  urânio no país.

Um porta-voz da agência, Behrouz Kamalvandi, afirmou que se tratou de um incidente localizado, em uma área onde não havia material radioativo.

— Sobre a possibilidade de contaminação, não havia atividade (nuclear) no complexo mencionado, não existe a necessidade de se preocupar,  e os especialistas da organização foram ao local e estão investigando  as causas do acidente — disse Kamalvandi, em entrevista divulgada pela agência estatal Isna.

Segundo autoridades, houve um incêndio na unidade, que fica na região central do Irã. As causas não foram apontadas, mas a agência semiestatal Tasnim deixou no ar a possibilidade de sabotagem realizada por agentes ligados a países que se opõem ao programa nuclear iraniano — no passado, Natanz foi alvo de ações lideradas por EUA e Israel. O mais notável deles ocorreu em 2010, quando hackers conseguiram introduzir um vírus no sistema da unidade nuclear, com o objetivo de atrasar o desenvolvimento atômico iraniano.

— Ocorreram danos físicos e financeiros,  e estamos investigando. De qualquer maneira, o trabalho de enriquecimento de urânio no local não foi interrompido — disse Kamalvandi, em declarações à imprensa.

O incidente ocorre menos de uma semana depois de uma explosão na base militar de Parchin, apontada pelas agências de inteligência de países como EUA e Reino Unido como palco, no passado, de atividades ligadas a um suposto uso militar do programa nuclear iraniano. As autoridades afirmam que se tratou de um acidente em local de armazenamento de gás, mas analistas não descartam ter se tratado de sabotagem dentro da base.

— Considerando o fato do incidente ter ocorrido poucos dias depois da explosão perto da base militar de Parchin, a possibilidade de sabotagem não pode ser excluída — afirmou à Reuters um ex-integrante do governo iraniano com conhecimento sobre o programa nuclear.

O prédio, de acordo com o centro de estudos americano Instituto pela Ciência e Segurança Internacional, foi identificado pela Agência Internacional de Energia Atômica como um local de montagem de centrífugas, responsáveis pelo enriquecimento de urânio.

Urânio enriquecido

Natanz é uma das principais unidades de enriquecimento de urânio no Irã, sendo submetida a inspeções diárias pela Agência Internacional de Energia Atômica, da ONU. Suas atividades foram limitadas pelo acordo sobre o programa nuclear iraniano, assinado em 2015 por Teerã e potências internacionais. No entanto, após a violação dos termos pelos EUA, que deixaram o tratado em 2018 por decisão do presidente Donald Trump,  o Irã voltou a ampliar sua produção de urânio enriquecido.

Apesar de ter deixado de observar alguns dos limites estabelecidos pelo texto do acordo, citando o não cumprimento das contrapartidas por parte dos demais integrantes do tratado, em especial as relativas ao comércio exterior— o levantamento de sanções, por exemplo — o Irã ainda não produz material nuclear adequado para uso militar. Tampouco há evidências de que o país mantenha um programa para o desenvolvimento de armas atômicas, apesar das muitas críticas por parte dos governos de EUA e Israel.

 

Tópicos