Do Mais Goiás

“Inviável não trabalhar por mais de 15 dias” diz associação da Feira Hippie

Presidente da Associação de Feirantes da Feira Hippie alega que se restrições permanecerem por mais de duas semanas, poderá haver protesto

As mudanças nos dias de funcionamento da Feira Hippie propostas pela Prefeitura de Goiânia não agradaram os trabalhadores do local. (Foto: divulgação/Prefeitura de Goiânia)
Feirantes podem fazer protesto se decreto por prorrogado por mais de 15 dias. (Foto: divulgação/Prefeitura de Goiânia)

“A gente vai ter que fazer protesto”, alegou presidente da Associação da Feira Hippie, Waldivino da Silva, sobre hipótese de o decreto da prefeitura de Goiânia ser prorrogado por de sete dias. Segundo ele, a expectativa é de que os feirantes passam voltar a trabalhar já na próxima semana, como determina o documento publicado pública no dia 27 de fevereiro. No entanto, as especulações de que as medidas restritivas podem se estender por mais tempo preocupa os trabalhadores.

“Inviável seguir decreto por mais de duas semanas. A gente consegue suportar no máximo 14 dias. Sabemos que neste momento é complicado fazer protesto, mas o que não dá é para ficar é passando dificuldade”, disse o presidente da associação.

Segundo informação publicada no site da Prefeitura de Goiânia, o decreto, que estabelece o lockdown em Goiânia por sete dias e suspende as atividades consideradas não essenciais por sete dias, poderá ter seu período de validade  reavaliado antes do seu término e poderá ser prorrogado independentemente da edição de ato por parte do chefe do Poder Executivo, de acordo com a situação epidemiológica no momento da avaliação.