Cinema

Internautas japoneses criticam Scarlett Johansson em Ghost in the Shell

Mesmo em tons jocosos, os usuários dos fóruns não ficaram muito satisfeitos




Na semana passada, a Sony divulgou a primeira imagem da muito branca e muito ocidental Scarlett Johansson na pele da major Mokoto Kusanagi na adaptação hollywoodiana do clássico cyberpunk Ghost in the Shell. A foto reacendeu a controvérsia dos produtores não terem sequer mudado o nome da personagem, escolhendo uma atriz caucasiana para viver uma personagem japonesa. Enquanto a internet ocidental pegava fogo, o Kotaku resolveu visitar o 2Chan, o fórum mais popular do Japão, e fazer um apanhado das opiniões dos internautas japoneses sobre o assunto.

 

A maior parte é fatalista: eles não ficaram exatamente satisfeitos, mas já esperavam algo assim de Hollywood. Outros tantos são indiferentes, alguns honestamente não se importam e há os verdadeiramente indignados. Porém, a maior parte só fez piadas, levantando que podia ser pior: “há 20 anos atrás, eles teriam escalado a Mila Jovovich”, ressalta um e outro completa “Quando os americanos resolvem escalar um asiático, poderia ter sido a Lucy Liu, então está tudo bem assim”, ressalta outro, já que Liu tem ascendência chinesa e não japonesa.

 

Muitos dão de ombros de forma amarga: “Sim, isso é Hollywood”, “Gente branca controla Hollywood”, “Isso é errado”. Na maior parte dos threads pesquisado pelo site, alguém eventualmente sempre levantava a questão de que atriz japonesa poderia ser escalada para o papel. Os nomes mais citados são Kou Shibasaki e Rinko Kikuchi, esta última conhecida do público ocidental por seus papéis em Babel, Círculo de Fogo e 47 Ronin. 

 

Mas alguns dos internautas chegam a reconhecer a pegada mercadológica: “Não há atrizes japonesas de grande destaque no ocidente”, “Infelizmente, poucos atores japoneses falam inglês”, relembram. Mesmo assim, o sentimento geral é que os japoneses ficaram levemente ofendidos e não levaram muito a sério a proposta do filme até agora: “Eu não vou assistir isso mesmo, então tudo bem”, “Isto parece um filme B”, disseram.