Do Mais Goiás

Integrante do PCC é preso por uso de documentação falsa, em Goiânia

Iuri Gomes Oliveira Ramires também estava sendo investigado por venda de drogas e armas de fogo de grosso calibre

Um integrante da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) foi preso na noite desta quinta-feira (14) por utilização de documentos falso no Residencial Brisas da Mata, região Noroeste de Goiânia. Iuri Gomes Oliveira Ramires, de 40 anos, vulgo “Cowboy”, também estava foragido há cinco meses da Justiça sul-mato-grossense.

Segundo o delegado Humberto Teófilo, do 22° Distrito Policial, Iuri era investigado há dois meses. As investigações da Polícia Civil começaram após a realização de um levantamento sobre os pontos de drogas da região, onde foi possível verificar que a residência do suspeito era também um ponto de comercialização de entorpecentes.

O delegado conta que, durante todo o processo de investigação, foi possível concluir que Iuri vendeu recentemente cerca de 800 quilos de maconha oriundas do Paraguai. “Ele tinha contato direto com criminosos de lá. Além disso, ele era considerado um dos membros mais fortes do PCC em atuação no estado”, conta Teófilo.

Além das drogas, Iuri também realizava o contrabando de armas de fogo e já tinha em andamento a negociação de um AK-47. Em um dos áudios do criminoso, ofertado pelo delegado, o criminoso confirma a entender com outra pessoa e alega que traria grande quantidade de pistolas caso o negociação se concretizasse.

“Uai, tá ligado! Nois é o crime! Aê, manim, vamo mudar o rumo. Eu fiz uma matemática aqui e vamo mudar o rumo. Vamos virar os mestres das armas. Se é esse o preço que você tá falando aí para mim e os caras chegar e pagar à vista, vamos mudar. Eu vou trazer de 10, de 20 pistolas. Uma atrás da outra. Eu to negociando um AK-47. Eu tô negociando é com os pulicias do Paraguai agora essa mercadoria”, fala o criminoso no áudio.

Durante sua prisão em flagrante, o suspeito apresentou documento de identificação falsa. Na ocasião, Iuri se passou por Alexandre Nunes. O suspeito já havia sido preso pela Polícia Federal (PF) com 20 quilos de droga. Ele foi condenado pela Justiça do Mato Grosso do Sul, mas estava foragido há cinco meses do cumprimento da pena.

O delegado ressalta que as investigações continuam agora para a localização dos demais criminosos para, assim, encontrar os demais  integrantes do PCC em Goiânia.

Documento de identificação falsa apresentado aos policiais no momento de sua prisão (Foto: PC)