Do Mais Goiás

‘Indignado’, Anastasia garante nega encontro com Youssef ou emissário

"Não conheço este cidadão, nunca estive ou falei com ele. Da mesma forma não conheço, nunca estive ou falei com o doleiro Alberto Youssef", escreveu o tucano em sua conta no Facebook.

Citado em depoimento na Operação Lava-Jato, o senador eleito Antônio Anastasia (PSDB-MG) reagiu com “forte indignação” à acusação feita à Polícia Federal pelo policial Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca. Ele disse que entregou R$ 1 milhão ao ex-governador de Minas em 2010. Anastasia disse que não conhece Careca ou Alberto Youssef e que o governo de Minas não tinha qualquer relação com a Petrobras. “Não conheço este cidadão, nunca estive ou falei com ele. Da mesma forma não conheço, nunca estive ou falei com o doleiro Alberto Youssef”, escreveu o tucano em sua conta no Facebook.

Segundo reportagem desta quinta-feira do jornal Folha de S. Paulo, o policial afirma que levou o dinheiro a uma casa em Belo Horizonte e que Youssef teria dito que o destinatário era o então candidato do PSDB ao governo do Estado. “Tempos mais tarde vendo os resultados eleitorais, identifiquei que o candidato que ganhou a eleição em Minas era a pessoa para quem eu levei o dinheiro”, diz o policial em depoimento.

Antônio Anastasia contesta a fala de Careca e diz que “é muito estranho o alegado encontro de um Governador de Estado em uma casa que não é sua, com um desconhecido, para receber dinheiro”.

O ex-governador de Minas afirmou ainda que já contratou um advogado e se colocou à disposição para uma acareação com o policial. Anastasia disse que vai “solicitar o completo esclarecimento do episódio”, com a “verificação de qual seria a tal casa, a data deste alegado encontro, o meio de locomoção utilizado e todos os demais elementos para demonstrar, de forma cabal, a inverdade do depoimento”.

Ao contrário de outros políticos citados, o caso de Anastasia está sendo tratado na Justiça Federal do Paraná, uma vez que as acusações foram feitas em um período que o tucano não tinha foro privilegiado. O caso poderá ser encaminhado para a Procuradoria-Geral da República porque Anastasia retomou o foro ao ser diplomado pela Justiça Eleitoral no mês passado.