Crueldade

Indiciados por matar torcedor do Vila Nova poderão responder ao processo em liberdade

Informação é do delegado que lidera as investigações. Adolescente foi morto a pauladas no último dia 2/11, no Setor Leste Vila Nova. Vítima ficou seis dias internada Hugo, mas não resistiu aos ferimentos


Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 21/12/2018 às 11:51:03

Vítima morreu seis dias depois no Hugo (Foto: Reprodução/WhatsApp)
Vítima morreu seis dias depois no Hugo (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Os indiciados pela morte do torcedor do Vila Nova, Ryan Borges Nascimento Oliveira, de 17 anos, poderão responder ao processo em liberdade, segundo o delegado que esteve a frente das investigações, Marco Aurélio Euzébio. O adolescente, morto a pauladas por torcedores do Goiás Esporte Clube no último dia 2/11, chegou a ficar seis dias internado no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

Segundo Marco Aurélio, quatro pessoas tiveram pedido de prisão requeridos: Thiago Fonseca Almeida, de 18 anos; Lucas Guilherme Lima Alves, de 19; Matheus Pereira Franco, de 22; e Alessandro Fernandes da Silva, de idade não divulgada. Destes, apenas Alessandro teve o pedido acatado pelo juízo. Porém, este cometeu suicídio no último dia 10/12, em Senador Canedo. “A justificativa para a negativa dos demais foi o fato deles terem se apresentado espontaneamente e não terem antecedentes criminais”, destaca.

De acordo com o delegado, Thiago, ao lado de Alessandro, foi o mais atuante nas agressões contra Ryan. A dupla é quem agride a vítima com pedaços de madeira. Lucas aparece no vídeo retirando a carteira de Ryan e Matheus seria proprietário do VW Gol vermelho que teria dado suporte na fuga dos acusados.

Vítima sendo agredida pelos indiciados (Foto: Reprodução/WhatsApp)

“Em depoimento, eles alegaram que estavam em um bar no Centro e decidiram ir para outro estabelecimento no Guanabara. No caminho, eles passaram pela Vila Nova, onde se concentram muitos torcedores. Deram a volta na quadra e decidiram agredir o rapaz. Temos elementos que mostram apontam para uma agressão premeditada”, revela.

O trio irá responder por homicídio triplamente qualificado – motivo torpe, utilização de meio cruel e por terem dificultado a defesa da vítima. Se condenados, poderão receber penas de 12 a 30 anos de prisão.

Relembre o caso 

Ryan Borges de Nascimento Oliveira tinha 17 anos e transitava com um grupo de aproximadamente 20 pessoas pela Rua 257, no Setor Leste Vila Nova, no dia 2 de novembro, quando o time jogou contra o Paysandu. O grupo então foi perseguido pelo veículo do qual agressores desembarcaram.

Câmeras de um circuito de segurança flagraram o momento em que o grupo tenta correr dos suspeitos. Na gravação é possível ver que um torcedor cai e Ryan, que vinha logo atrás, consegue se desviar, porém se desequilibra novamente. Alcançado pelos indiciados, foi atacado com golpes de madeira, principalmente na cabeça. A violência foi tamanha que um dos tacos utilizados chegou a quebrar. Além das pauladas, o quarteto rasgou as roupas da vítima e fugiram deixando Ryan se debatendo no chão.