Tragédica em Santos

IML diz que não há prazo para identificação dos corpos do acidente em Santos

Diretor do IML explicou que a identificação das vítimas está sendo um trabalho muito complexo porque os corpos estão bastante fragmentados




O diretor do Instituto Médico-Legal (IML) de São Paulo, Ivan Miziara, informou nesta quinta-feira (14/08) que não há prazo para encerramento dos trabalhos de identificação das vítimas do acidente de avião que matou, em plena campanha presidencial, o candidato do PSB, Eduardo Campos, ex-governador de Pernambuco, e mais seis pessoas. Até agora, não foi possível o reconhecimento de nenhum dos restos mortais.

Miziara explicou que a identificação das vítimas está sendo um trabalho muito complexo porque os corpos estão bastante fragmentados e o processo deve seguir protocolo internacional. De acordo com ele, 50 pessoas entre legistas, peritos e técnicos, com acompanhamento da Polícia Federal, participam do trabalho, iniciado ontem à noite. Até agora, somente foi colhido material genético de parentes do piloto Marcos Martins e do cinegrafista Pedro Almeida Valadares.

O deputado federal Beto Albuquerque, líder da bancada do PSB na Câmara dos Deputados, que esteve pela manhã no IML, disse que recebeu informação de que o prazo mais otimista para conclusão dos trabalhos é sábado. O ex-ministro da Saúde e candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, também esteve no local. Os dois políticos informaram que há decisão para os corpos serem liberados somente quando todos estiverem identificados.

O acidente ocorreu ontem (13), em Santos, quando o avião refazia os procedimentos para pouso no município vizinho de Guarujá, após arremeter na primeira tentativa, por mau tempo. Além de Campos, morreram Pedro Valadares, assessor direto; Carlos Augusto Percol, assessor de imprensa; Marcelo Lira, cinegrafista; e Alexandre Severo, fotógrafo oficial, além dos pilotos da aeronave Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, Marcos Martins e Geraldo da Cunha.