Reincidente

Identificado homem suspeito de furtos em clínicas de Goiânia

Suspeito, que trabalha como churrasqueiro, possui outras oito passagens por furto. Valtecy Sebastião de Oliveira foi encontrado pela Polícia no Hugo, onde está internado desde o início de Outubro.


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 16/10/2019 às 09:37:30

Suspeito de cometer furtos em clínicas de Goiânia foi identificado pela PC. Trata-se de Valtecy Sebastião, 49 anos, que trabalha como churrasqueiro. (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Suspeito de cometer furtos em clínicas de Goiânia foi identificado pela PC. Trata-se de Valtecy Sebastião, 49 anos, que trabalha como churrasqueiro. (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O homem suspeito de cometer furtos de objetos e dinheiro em clínicas de Goiânia foi identificado pela Polícia Civil (PC). Trata-se de Valtecy Sebastião de Oliveira, de 49 anos, que trabalha como churrasqueiro. Ele é apontado como autor de ao menos dois furtos ocorridos nos dias 21 e 23 de Setembro. Anúncio foi feito pela corporação na noite desta terça-feira (15).

Segundo informações preliminares repassadas pela PC, o suspeito foi encontrado no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde está internado desde o início de Outubro. Ele foi levado à unidade de saúde e passou por cirurgia após fraturar os dois tornozelos ao pular de um muro durante a fuga de um furto cometido em uma clínica no Setor Marista. Na ocasião, o homem subtraiu R$ 22 mil.

Imagens de câmera de segurança das clínicas registraram a ação do suspeito em momentos em que ele furtou dinheiro e um notebook de duas unidades de saúde. Valtecy confessou os crimes. Conforme expõe o delegado responsável pelo caso, Paulo Ribeiro, os dois furtos em questão serão somados a outras oito passagens já registradas contra o churrasqueiro pelo mesmo delito.

Relembre

Os furtos em clínicas particulares de atendimento médico, em Goiânia, aconteceram no mês de setembro. O suspeito subtraiu objetos, cheques, dinheiro de funcionários e até um notebook. Em duas unidades, os profissionais deram falta de objetos pessoais e uma médica teve cheques e dinheiro furtados de sua bolsa.

A prática do suspeito era quase sempre a mesma: ele entrava nas clínicas, não se identificava, esperava algum momento mais movimentado, levantava-se da cadeira, tomava água e começava a andar pelo local. Então, ele entrava nos consultórios vazios e cometia os furtos.

Em um dos casos, os funcionários perceberam, no dia seguinte ao furto, a falta de um notebook usado pelos médicos. Uma imagem mostra o homem entrando por uma porta de acesso exclusivo de funcionários e saindo com o computador onze minutos depois.