Horário de verão

Horário de verão termina neste fim de semana

No próximo domingo, os relógios devem ser atrasados em uma hora.





//

O próximo fim de semana terá uma hora a mais. O motivo é o fim do horário de verão, que termina à zero hora deste domingo (22/02). Os relógios devem ser atrasados em uma hora.

De acordo com o ministro de Minas e Energia,Eduardo Braga,apesar de o horário de maior consumo de energia ocorrer no início da tarde, ainda vale a pena manter a mudança de horário no país.

“O horário de verão continua representando um descasamento na ponta de carga e uma economia de energia. No período, voltamos para as residências ainda com a luz do dia, o que gera uma economia energética para o país. Portanto, é válido o horário de verão”, avaliou.

O principal objetivo do horário de verão é aproveitar melhor a luminosidade natural do dia, reduzindo o consumo de eletricidade no fim da tarde, quando ocorria o chamado pico de consumo. Recentemente, o pico tem sido registrado no início da tarde, principalmente por causa do aumento do uso de aparelhos de ar condicionado.

O governo cogitou prorrogar o horário de verão por um mês, para tentar poupar os reservatórios das usinas hidrelétricas. Mas após uma reunião entre o ministro Eduardo Braga (Minas e Energia) e a presidente Dilma Rousseff, foi mantida a data de termino para o dia 22 de fevereiro.

“Chegamos a conclusão, após avaliação bastante técnica, de que não devemos prorrogar. Portanto, no próximo dia 22 encerra-se o horário de verão”, disse Braga.

De acordo com registros do ONS, com uma hora a mais de luz natural, a demanda no começo da noite diminui 2.065 MW no subsistema Sudeste/Centro-Oeste e 630 MW no subsistema Sul, correspondendo a uma redução de 4,6% e 5,0%, respectivamente.

Segundo o ministro, os relatórios finais sobre a economia de energia no período devem ser concluídos semana que vem. Dados preliminares podem ser divulgados pelo governo amanhã (20/02).

No início do horário de verão deste ano, a estimativa do governo era uma economia de R$ 278 milhões, com geração de energia térmica no horário de pico. Na edição anterior, a economia chegou a R$ 405 milhões.