FolhaPress

Homem encontra cobra na sala de estar, em 3º andar de prédio

Apesar do medo, o morador de Jerônimo Monteiro, no Espírito Santos, espantou o bicho com a ajuda de uma vassoura.

Um homem levou um susto depois de encontrar uma cobra na sala de estar onde mora, no 3º andar de um prédio no Espírito Santo. (Foto: reprodução)

Vandinho é um dos 10 mil moradores de Jerônimo Monteiro, uma pequena cidade no sul do Espírito Santo.

Mas sua tranquilidade foi interrompida no começo da semana quando ele se deparou com uma cobra na mesa de sua sala de estar, no terceiro andar de um prédio. Em entrevista ao “Encontro”, ele afirmou que não sabe de onde o animal pode ter vindo.

“Aqui é meio que uma zona rural, né. Tem esse tipo de cobra? Tem, acontece, aparece em alguns campos e tal, beleza. Só que eu moro no terceiro andar, entendeu? Tem duas casas abaixo da minha”, detalhou Vandinho.

Segundo ele, apesar da presença de plantações de laranja nos arredores da cidade, sua residência não fica em uma região arborizada, o que o deixou ainda mais confuso sobre a aparição da cobra.

“Se tivesse uma árvore em volta de casa, né, eu ia falar: ‘Ah, subiu pela árvore’. Por que esse tipo de cobra, até onde eu sei, mais ou menos, porque eu não sou nenhum biólogo também, elas sobem por árvore e conseguem pular de um lado pro outro, né. Mas aqui em casa não tem nenhuma árvore, não tem nada em volta, então não sei como ela veio parar aqui”, afirmou.

Vandinho ainda contou que estava sozinho em casa quando encontrou o bicho, escolhendo não chamar os serviços de emergência para resolver a situação.

“Eu já vi várias cobras dessa aqui na nossa região, porque aqui é um lugar que tem muito campo, é o segundo colocado na terra das laranjas, então tem muitos campos. Mas no principio, antes de fazer esse vídeo, eu estava deitado no chão em outro cômodo, porque estava muito quente, então eu estava deitado fazendo meu intervalo do serviço, de 1 hora, aí quando eu levantei pra escovar os dentes, pra voltar pro serviço, eu me deparei com ela, tomei um baita susto”, lembrou.

Apesar do medo, o morador de Jerônimo Monteiro espantou o bicho com a ajuda de uma vassoura.

“Isso eu queria ressaltar, ela se assustou quando me viu, porque quando eu deparei com ela, ela tava de frente pra mim, enrolada na boleira. Quando ela me viu ela se desenrolou e ficou um pouco mais espichada. Quando eu percebi que era uma cobra-cipó, eu peguei uma vassoura, ‘futuquei’ ela assim, e ela desceu muito rápido, tipo deu um salto da mesa até o chão, e foi pro lado da cozinha. Aí, graças a Deus, ela achou a porta aberta e foi pra varanda. Ela já estava na direção da escada pra sair da minha casa, aí dei uma ‘mini varridinha’ nela, e ela já caiu pra baixo”, explicou ele.

Apesar do “final feliz”, Vandinho afirmou que a esposa não gostou do destino que o marido deu para a cobra, que agora amedronta seus vizinhos.

“A minha cunhada está apavorada, a minha vizinha aqui do lado também, está todo mundo apavorado. A minha mulher queria me matar porque eu deixei a cobra ir embora. Ela queria que eu matasse ela. Mas eu falei: ‘não, amor, isso é um bicho que não tem veneno’. Até onde eu sei, não tem veneno, então no momento que percebi que era uma cobra-cipó eu espantei ela, não tem problema”, defendeu.

Vinicius Ferreira, biólogo convidado do programa de Fátima Bernardes, apoiou a atitude de Vandinho, dizendo que, apesar de peçonhenta, a cobra-cipó não oferece riscos ao ser humano.

“Ele fez tudo certo, melhor parte foi não matar a cobra. Aqui a gente não consegue identificar com exatidão, porque está de longe, mas parece ser uma cobrinha-cipó mesmo. Se for, é um animal peçonhento, venenoso, mas que não apresenta risco pra nós”, afirmou.

O profissional também se mostrou surpreso com a aparição do animal no terceiro andar, definindo a situação como “bizarra”.

“Muito confuso, primeiro eu chutaria se tivesse uma árvore por perto, né, talvez ela tivesse chegado dessa forma. Mas como não tem, é muito curioso, bizarro assim. Tem até que saber se não é de alguém essa serpente”, teorizou.