Violência

Homem é preso após confessar ter espancado e matado enteada de 1 ano em Santa Rita do Araguaia

Gabriel Felizardo, 21 anos, disse para a polícia que a menina estava chorando e não queria dormir.


Kayque Juliano
Do Mais Goiás | Em: 20/04/2019 às 14:30:55

Emanuelly chegou a ser levada para o hospital, mas morreu na unidade de saúde(Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
Emanuelly chegou a ser levada para o hospital, mas morreu na unidade de saúde(Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

O jovem Gabriel Felizardo Silva, 21 anos, foi preso suspeito pela morte da enteada, de apenas 1 ano, na noite de sexta-feira (19), em Santa Rita do Araguaia, região sudoeste de Goiás. Inicialmente, ele alegou que a menor tinha caído da cama mas, posteriormente, confessou ter agredido a menina.

Segundo a Polícia Civil (PC) Gabriel estava em casa tomando cerveja e depois foi levar uma sobrinha em casa. Quando ele retornou para a residência, encontrou a criança chorando na sala. A mãe da menina já estava dormindo. Ele tentou colocar Emanuelly para dormir, mas ela não quis. Então ele começou a agredir a criança com socos.

De acordo com o delegado responsável pela investigação do caso, Júlio César Arana Vargas, Gabriel acordou a mãe da menina logo após as agressões. “Ele relatou para a mãe da criança que ela havia caído da cama e precisava levá-la no hospital”, explica o delegado.

A menor foi atendida em uma unidade de saúde em Alto Araguaia e, posteriormente, precisou ser transferida para Rondonópolis, no Mato Grosso, onde não resistiu aos ferimentos.

Segundo o delegado, os médicos estranharam as lesões no corpo da menina e acionaram a Polícia Militar.

O casal foi levado até Mineiros, onde alegaram que a criança tinha caído na cama. “Como as lesões pelo corpo chamava atenção pela suspeita de maus-tratos, nós solicitamos uma perícia na residência”, conta o Júlio César.

Ao ser confrontado com as informações da perícia, Gabriel assumiu sozinho a autoria do crime. Ele disse que tinha bebido e deu socos na criança. Quando percebeu que a menina estava sangrando pelo ouvido e nariz, acordou a mãe.

Ele foi autuado em flagrante por tortura e homicídio qualificado. Se condenado, pode pegar até 25 anos de reclusão.