Homem diz que matou jovem atropelada ‘sem querer’ após assediá-la em SC

Segundo o delegado, o homem estava embriagado e exalava forte odor de álcool

Vanessa morreu após ser atropelada
Homem diz que matou jovem atropelada 'sem querer' após assediá-la em SC (Foto: arquivo pessoal)

Um homem suspeito de matar uma jovem de 18 anos após assediá-la disse à Polícia que teria atropelado a vítima ‘sem querer’. O caso aconteceu em Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina, na noite do último domingo (10).

Segundo o delegado Eduardo Ferraz, que realizou o flagrante, Juciano Marinho Gomes, de 35 anos, estava embriagado e exalava forte odor de álcool quando foi ouvido no inquérito policial. Ele teve a prisão convertida em preventiva na tarde da última segunda-feira (11).

Depoimento de homem que diz que atropelou jovem sem querer

Segundo o delegado, o suspeito disse que foi agredido pelo namorado da vítima identificada como Vanessa Machowski . “A versão que ele [suspeito] deu para a gente é que houve uma discussão com o namorado e a vítima. Não soube dizer o motivo, pois estava embriagado na hora. Disse que foi agredido pelo namorado [da vítima] e outras pessoas que estavam ali. Ao ir embora, acabou atropelando a vítima sem querer”, relatou Eduardo.

O namorado da vítima também prestou depoimento e deu versão diferente sobre o ocorrido. “Disse que ele [suspeito] teria passado e mexido com a menina. Começaram a discutir, o homem entrou no carro e tentou atropelar os dois, mas acabou atingindo só ela”, afirmou Ferraz.

O carro de Juciano foi apreendido e passará por perícia. O inquérito policial já foi entregue ao Ministério Público. A jovem foi sepultada em Itajaí, segundo informou o namorado da vítima.

Prisão preventiva do homem que teria atropelado jovem “sem querer”

A juíza Anuska Felski da Silva, da 1ª Vara Criminal de Itajaí, entendeu que há indícios suficientes de autoria e prova de materialidade nos autos para conversão da pena preventiva.

“Considerando o contexto social de violência em relação às mulheres, demonstra que medidas cautelares alternativas são insuficientes para evitar que o réu venha novamente dirigir embriagado, insultar mulheres supostamente desconhecidas na rua e agir de modo a ceifar-lhes a vida, o que, sem dúvida, gera intranquilidade no seio social, e reclama a medida extrema”, escreveu a juíza.

Jovem tinha o sonho de ter o próprio salão

Parentes de Vanessa contaram ao G1 que a jovem tinha o sonho de abrir o próprio salão na área da estética. A tia dela, Léia Oliveira, só tem elogios para a sobrinha.

“Sempre muito querida com todos, carinhosa. Ela era extrovertida, sempre fazendo brincadeiras”, relatou.