Aquisições

HMI recebe berços aquecidos e incubadoras neonatais para tratar crianças prematuras

Agora, a unidade tem 31 e 33 unidades, respectivamente, de cada equipamento. Segundo o governo, quantia suficiente para atender 100% da demanda hospitalar. Itens foram adquiridos com dinheiro do Ministério da Saúde


Hugo Oliveira
Do Mais Goiás | Em: 08/02/2019 às 10:07:25

(Foto: divulgação/Governo)
(Foto: divulgação/Governo)

O Hospital Materno Infantil (HMI) recebeu, na manhã desta sexta-feira (8), 10 incubadoras neonatais e 15 berços aquecidos, os quais serão utilizados no tratamento de crianças prematuras. O investimento, de acordo com o Estado – responsável pela aquisição e entrega – foi de R$ 452 mil, proveniente do Ministério da Saúde.

Com a novidade, o Materno tem agora 31 incubadoras e 33 berços aquecidos, que segundo o governo, é a quantidade ideal para o funcionamento do hospital, com capacidade para atender 100% da demanda. A diretora regional do Instituto de Gestão e Humanização (IGH), responsável pela administração da unidade, foi quem recebeu os itens.

Para ela, os materiais atenderão à demanda também dos trabalhadores. “Esses equipamentos farão toda a diferença na assistência prestada pelo HMI. Eles representam vida, qualidade de vida para os recém-nascidos e melhores condições de trabalho para a equipe”, ressaltou.

Caiado, que também é médico, considerou os equipamentos cruciais para a sobrevivência de pacientes em condições graves. “São necessárias para garantir a sobrevivência de um recém-nascido debilitado, como já recebemos aqui crianças com 25cm de altura pesando 450g. Essas ferramentas podem garantir a esses pacientes uma vida normal no futuro “.

A próxima meta do governo é reestruturar o centro cirúrgico da unidade para que seja possível a realização de qualquer procedimento. De acordo com Caiado, a ideia é fruto de uma busca por alternativas rápidas em prol do hospital. “[Assim], poderemos dar condições para que o colega cirurgião possa desenvolver a melhor técnica. Temos que dar atenção para as coisas que são fundamentais, como a vida”.